Vi de Bike – Fátima Muniz

Vi de Bike Fatima Muniz blog De Bike na Cidade by Sheryda Lopes

Numa das idas ao IFCE para participar de um processo seletivo, tive um feliz encontro no estacionamento. Conheci a Fátima Muniz, 26 anos, estudante de teatro. Fazia um pouco mais de uma semana que ela tinha começado a utilizar a bicicleta como meio de transporte e eu achei isso o máximo! Ela me falou um pouco de como estava sendo a experiência e eu cheguei a ficar emocionada, porque me lembrou muito as minhas vivências de 3 anos atrás. Inclusive o IFCE faz parte dessas lembranças, porque eu pedalava até lá para fazer natação.

E assim como eu, ela alimentou por bastante tempo a vontade de começar a pedalar até que finalmente conseguiu colocar o plano em prática. “Eu não acredito numa harmonia urbana com tanto carro e estresse. Acho que a harmonia vem de meios mais simples de se locomover e vivenciar a cidade”, explica. Entre as principais vivências, ela destaca a sensação de liberdade, o prazer de sentir o vento e perceber outros aromas. E como todo ciclista, também tem enfrentado muitos desafios, principalmente aqueles relacionados à violência no trânsito. Mas não desanima, pois sabe que hostilidade não é a única coisa que nos aguarda nessa selva de concreto e asfalto.

“Apesar de tudo, percebo que existe muita gentileza no trânsito. E não só de quem está de bicicleta, mas também de motoristas e pedestres. Dia desses, por exemplo, um táxi me deu uma fechada (#DemorôUber) e quase me derrubou. Tomei um susto, mas logo em seguida um outro motorista deixou bastante espaço para que eu conseguisse passar com segurança”, conta. O nome que a ela escolheu para batizar a própria bicicleta, na minha opinião, traduz bem esse sentimento de descoberta: Aurora.

E depois desse papo incrível, acabei até esquecendo de conversar com ela sobre os looks que gosta de usar para pedalar. ^^ Bom demais saber de mais mulheres nas ruas, né, gente? E a propósito, essa não foi nem a primeira Fátima e nem a primeira estudante de teatro do IFCE que eu conheci enquanto pedalava. Estamos nos multiplicando e não tem mais volta!

A Fátima faz parte do grupo Teatro Ateliê e eles estão com várias apresentações marcadas. Fiquem atentos e vão lá conhecer o trabalho da moça! 🙂

Um abraço e vamos pedalar!

 

Anúncios

Estacionamentos de antes e depois

Sabe quando você vê a história acontecendo assim, na sua cara? Então. Tive essa sensação esses dias ao observar alguns estacionamentos e bicicletários por onde passei. Um deles foi o do prédio de uma amiga que me recebeu em sua casa por uma noite. Acontece que ao invés de ter um carro ocupando sua vaga no prédio, ela tem… bicicletas! Achei uma coisa muito fofa! Estacionei Shamira junto e fiz questão de tirar uma foto.

Estacionamentos antes e depois

Saindo de lá, fui visitar outra amiga e, mais uma vez, a presença de bicicletas no estacionamento fez meus olhos brilharem! ^^

Estacionamentos antes e depois (2)

Eu gosto demais quando chego em um lugar e sinto que as bicicletas estão se multiplicando. Tem uma amiga, por exemplo, que eu conheço de desde antes de comprar Shamira. Nós costumávamos sentar no saguão do prédio dela para conversar, ao lado de um paraciclo entorta-aro que sempre estava deserto. Com o tempo, a quantidade de bicicletas foi aumentando e hoje em dia os moradores ciclistas precisam improvisar o local onde vão guardá-las, porque é muita magrela junta.

Eu fico muito feliz porque quanto mais a quantidade de bicicletas aumentar, maiores a chance de mais paraciclos nos lugares (e melhores, porque ninguém merece os entorta-aros) e de um trânsito mais simpático. 🙂 Sentir que faço parte dessa mudança é ainda mais legal. Imaginem as histórias que contarei aos meus netinhos? hahaha ^^

Um abraço e vamos pedalar! 🙂

(e reivindicar mais paraciclos em “U” invertido)

Além de Bike – Vitrola de Novembro

Olá, pessoal! Quando contei que entrei para o grupo artístico Vitrola Nova, prometi que avisaria quando fôssemos nos apresentar. Pois bem, nós vamos! Na próxima terça-feira, cantaremos no (ai, meu corassaum) palco principal do Teatro José de Alencar! Para quem não conhece, é um dos locais mais bonitos de Fortaleza, e que até foi atração de durante o Mês da Mobilidade. Gente, que honra! Cantarei naquele palco incrível! Se vocês quiserem assistir, aí vão as coordenadas:

11872203_1082006745151131_6161024809531238887_o

Estaremos no Palco principal do TJA próxima terça apresentando nosso recital de fim de ano.
Mesmo dezembro ainda não chegando, já estamos em clima de festa, Natal, retrospectiva e novidade com nosso “Vitrola de Novembro.”

Quando: Dia 24/11/15 às 19h30min
Ingressos: R$ 15 (meia) e R$30 (inteira)
É única apresentação e os ingressos são limitados!
Não perca!

Maiores informações na fanpage do Vitrola Nova.

Eu estou super animada, ensaiando bastante e naquele processo de montar o figurino. E o repertório também está super divertido, com músicas natalinas e outras surpresas. Se você ficou a fim de assistir, então garanta logo seu ingresso porque são apenas 120 lugares no Teatro. Ah, e se for de bicicleta, o TJA tem um bicicletário interno onde cabem 10 bikes. Que tal ir todo mundo pedalando para que essa demanda aumente e com isso, o pátio do Teatro fique lotado de magrelas? Nossa, eu ia cantar super mais feliz!

Então, espero vocês, hein?

Um abraço, vamos pedalar e mandar ver nesse falsete!

 

 

Vlog de Bike – indo ao Centro de bicicleta

Saiu o segundo Vlog de Bike! E desta vez, com a participação do marido! 🙂 Fomos juntos ao Centro da cidade para comprar luminárias que usarei para iluminar melhor os vídeos que eu gravar aqui em casa para o blog. Aproveitamos o passeio para falar um pouco da Praça do Ferreira, mostrar o melhor pastel de Fortaleza (e olha que não gosto muito de pastel) e curtir o climinha romântico do começo da noite. Se vocês tiverem paciência e uma tolerância extrema a gente que fala bobagem, vão se divertir com minhas brincadeiras com o maridão. rsrsrs

Assistam, não esqueçam de deixar aquela curtida esperta, seu comentário e inscrevam-se no canal! 🙂

Quero muito saber o que vocês acham desse tipo de post para que eu possa melhorar cada vez mais. Eles estão muito longos, por exemplo? Eu gosto de assistir vídeos longos e sou meio prolixa, daí minha dificuldade de fazer vídeos curtinhos. rsrsrsrs Mas e vocês? Desabafem, abram seu coração! S2 #blogueiracoaching

Luto

Apesar de o vlog de hoje ser muito divertido, tenho que falar de um assunto triste. Na semana passada, infelizmente um senhor faleceu ao cair da ciclovia da Bezerra de Menezes direto no asfalto, sendo atropelado em seguida. 😦 Fiquei muito triste e bolada com isso, como sempre fico quando acontece alguma tragédia desse tipo, mas principalmente por ser num local que conheço bem. É impossível não pensar que poderia ter sido eu ou um amigo.

Aí depois que eu postei o vídeo, soube que ontem outro ciclista idoso morreu justamente no Centro da cidade, para onde fomos neste vlog, atropelado por um ônibus. O vídeo já estava pronto e postado, por isso não há qualquer comentário a respeito disso. Mas certamente é algo que abala profundamente toda a comunidade ciclista.

O que eu posso dizer a vocês? Sim, queridos, o trânsito é violento, as tragédias e injustiças acontecem e existe o risco. Essas notícias me assustam, e me levam a pedalar com muito medo e raiva no coração.

Sim, já deixei de sair de bicicleta ou mudei minha rota depois que algo assim aconteceu. Sou um ser humano, não quero morrer no trânsito e tenho medo. Não quero virar estatística de morte de ciclista. Seres humanos são assim, muitas vezes se deixam abalar pelo medo e pela tristeza.

Porém, a gente precisa ter coragem de mudar e de provocar as mudanças. Precisa engolir um pouco esse medo, transformá-lo em algo diferente. Em algo que nos leve à frente e que também nos mostre as alegrias da nossa cidade. Há estudos que mostram que quanto mais bicicletas na rua, menor a quantidade de mortes de ciclistas, e não o contrário, como muitos pessimistas gostam de pregar. Quanto mais bicicletas, mais motoristas conhecem ciclistas, mais motoristas pedalam e mais cuidado tendem a tomar, conforme tantas vezes me disse o Celso Sakuraba, da Ciclovida. Obviamente, quanto mais bicicletas na rua, menos carros também. E são eles os perigosos, não as bicicletas.

Os dois idosos que cito neste post (me desculpem por não dar mais detalhes ou links sobre os casos, mas confesso que ainda não tive coragem de ler muito sobre o assunto) infelizmente não voltaram para suas famílias, como eu e o maridão voltamos nesse dia em que fomos ao Centro. A alegria dos idosos foi parada bruscamente por uma cultura de violência, velocidade e poder.

E se nós parássemos essa cultura? E se ousássemos observar sorrisos e déssemos mais atenção ao som da corrente de uma bicicleta ao invés dos xingamentos e buzinas? E se parássemos para sonhar com mais justiça, educação e bicicletários ao invés de um carro novo? E se, ao dirigir, nos enxergássemos não como os veículos que conduzimos, motorizados ou não, e sim como seres humanos?

Isso já está acontecendo, ainda que não tão rápido quanto gostaria. Não a tempo de salvar a vida dos dois senhores citados neste post. Mas está, e nós podemos fazer parte disso.

 

Um abraço e vamos pedalar!

 

Bicicletários – North Shopping da Bezerra de Menezes

A resenha de hoje é sobre o local reservado às bicicletas no North Shopping da avenida Bezerra de Menezes. Vale ressaltar que trata-se de um estabelecimento comercial localizado na avenida onde fica uma das principais ciclovias da cidade e que tem um intenso fluxo de ciclistas.

O bicicletário é localizado próximo ao estacionamento dos carros e é cobrada uma taxa de R$ 1 pelo serviço, independente do tempo em que a bicicleta permaneça no local. Antes de ter acesso ao paraciclo, o ciclista passa por um funcionário do Shopping, que cola um selo numerado na bike e entrega um ticket, a ser validado depois no caixa.

Então, o ciclista se dirige até um corredor e ao entrar à esquerda se depara com isso:

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (5)

O caminho até o bicicletário é repleto de entulho, aparentemente restos ou reserva de materiais de construção. São canos, madeira, metal… Confesso que, enquanto caminhava por lá, a palavra “tétano” percorria minha mente com bastante insistência. E ao chegar ao local onde as bicicletas devem ser guardadas, um pouco mais à frente, vi que a coisa não melhora.

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (1)

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (3)

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (2)

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (6)

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (4)

Sim, trata-se de um paraciclo do tipo açougue, desses em que é preciso levantar a bicicleta e pendurá-la em ganchos. Além de não ser o modelo mais acessível e benéfico para a própria bicicleta, a estrutura é aparentemente velha, suja e enferrujada (tétano, tétano, tétano). E assim como o caminho a ser percorrido até a chegada no local, o ambiente também está repleto  de materiais de reforma.

Minha avaliação: É bem desagradável, como cliente que, inclusive, está pagando pelo serviço, ser conduzida até um ambiente assim. Ainda que o estacionamento para as bicicletas fosse gratuito, não é como quero ser tratada quando saio de casa, principalmente se estou pagando pela segurança e integridade da minha bicicleta.

Vantagens: O local é coberto e razoavelmente protegido do sol e chuva. Digo razoavelmente porque há um portão, trancado, que permite a entrada de luz e há horários em que a luz e calor do sol atingem as bicicletas. Inclusive dá para ver isso em algumas fotos. Não sei se quando chove há o risco de molhá-las, mas acredito que não. Inclusive porque há bastante madeira no ambiente e nenhum sinal de mofo, portanto, sem sinal de madeira molhada. #elementarmeucaroWatson

Outra vantagem é que para ter acesso ao local, é necessário passar pelo funcionário do Shopping e mostrar para ele o ticket pago. Nunca cheguei para buscar minha bicicleta e não encontrei o responsável na entrada. Assim, creio que ela realmente fica segura. Eu preferiria que o paraciclo não fosse tão isolado, pois creio que num descuido ficaria mais fácil furtar uma bike. Além disso, é meio sinistro ir até lá. Por via das dúvidas, sempre que deixo a bicicleta em qualquer local, tiro uma fotografia. Assim, tenho como provar onde deixei meu amado veículo, e até mostrar para a polícia se for necessário. #ficadica

Posicionamento

Entrei em contato com a assessoria de comunicação do North Shopping e abordei os pontos levantados neste post. Por email, a empresa respondeu que:

“O bicicletário é provisório, pois algumas intervenções estão acontecendo no Shopping. Mesmo sendo provisório, já foi sinalizado a melhoria para o espaço para um atendimento mais adequado aos nossos clientes. Existe um projeto padrão de revitalização do espaço que será implantado”.

Maiores detalhes sobre essa revitalização, padrão ou prazo para que ela seja realizada, não foram revelados, mas eles ficaram de me avisar quando houver mais novidades. Quanto ao valor cobrado pelo serviço, segundo as informações, é um “custo simbólico para manutenção do controle de acesso e pagamento do seguro”.

Eu vou esperar ansiosa por essas mudanças e quando acontecerem, mostrarei aqui no blog para vocês, é claro! E, como sempre, agradeço pela disponibilidade da empresa em conversar comigo e expôr seu ponto de vista.

Um abraço e vamos pedalar!

Bicicletários – Estácio FIC, sede Moreira Campos

Resenha bicicletário Estácio FIC Moreira Campos De Bike na Cidade (1)

Na ausência de paraciclos, bicicletas ficam presas na grade

No dia em fui de bicicleta à faculdade Estácio FIC – sede Moreira Campos, que fica na Aldeota, estava muito otimista porque soube por um aluno que o uso das bikes por estudantes de lá tem aumentado bastante.  Só que me deparei com um problema: Não havia onde guardar, “oficialmente” a bicicleta. 😦

Um segurança da instituição informou que não havia bicicletário, e que eu teria que guardar a bicicleta onde os outros alunos costumam deixar: presa na grade da entrada da Faculdade. Como o dia estava chuvoso e a grade não contava com proteção contra a chuva, pedi para prendê-la num local coberto onde havia uma coluna. O segurança permitiu, mas logo em seguida pediu que eu a retirasse, pois havia sido informado que isso não era permitido.

Resenha bicicletário Estácio FIC Moreira Campos De Bike na Cidade (3)

Resenha bicicletário Estácio FIC Moreira Campos De Bike na Cidade (2)

Então deixei a bicicleta onde ele me indicou, bem na entrada da Faculdade, numa grade. O bom é que é um lugar com bastante movimento e bem iluminado, e por isso não senti tanta insegurança. Só que é chato deixar a bike assim, descoberta, com perigo de molhar e ter a corrente enferrujada. E me irritou um pouco o fato de haverem lugares cobertos onde eu poderia deixar a bicicleta, sem atrapalhar os transeuntes, e isso não ser permitido. :/ Às vezes o estabelecimento realmente não está preparado para receber as bicicletas, mas se mostra flexível e nos ajuda a acomodá-la num local mais seguro, mas não foi bem o que aconteceu nesse dia. Ainda assim, foi permitido que eu deixasse a Lanterna do lado de dentro da Instituição, e há ocasiões em que nem isso é permitido.

Posicionamento

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Estácio informou que, diante da ausência de legislação que obrigue a instalação de bicicletários em instituições de ensino, a empresa providencia a estrutura conforme a demanda. No caso da sede Moreira Campos, segundo as informações, a procura por esse serviço é pequena.

Legislação

A lei 9701/10, que obrigava prédios públicos e privados a instalarem bicicletários, foi revogada no final do ano passado por meio do Plano Diretor Cicloviário de Fortaleza (PDCI). “Com isso, apenas novos projetos precisam instalar bicicletários em suas estruturas, para que sejam aprovados pela Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma). O problema é que os estabelecimentos que já existiam na cidade ficaram irregulares por todo esse período, aí surgiu uma lei que diz que eles não estão mais irregulares”, explica o advogado Celso Sakuraba, diretor da Associação de Ciclistas Urbanos de Fortaleza. “Protestamos contra essa revogação, principalmente porque a instalação de um bicicletário é algo simples e barato”, completa.

Plano Diretor Cicloviário de Fortaleza

A lei n° 10302 de 2014, que trata do PDCI, está na página 6 do Diário Oficial do Município do dia 23 de dezembro de 2014. Acesse clicando aqui.

Um abraço e vamos pedalar!

Bicicletários – Sebrae da Monsenhor Tabosa

Acho que quem chega de carro sente até inveja

Acho que quem chega de carro sente até inveja

Tive uma grata surpresa ao me dirigir à sede do Sebrae que fica na avenida Monsenhor Tabosa, na Praia de Iracema, e procurar o bicicletário. Gente, que “corra mar linda”, como a gente diz aqui no Ceará. Sério, um bicicletário perfeito, na minha opinião.

Com paraciclos em formato de “U” invertido, que é o melhor modelo, a bicicleta fica perfeitamente apoiada, sem risco de tombar ou entortar os raios. Além disso, esse modelo permite que a bike seja trancada tanto pelo quadro, quanto pelas rodas, o que garante uma segurança adicional à sua querida magrela. Os paraciclos têm bastante espaço entre eles, e com isso os ciclistas podem manobrar de forma mais confortável, sem esbarrar em outras bicicletas ou derrubá-las. É bom lembrar também que a área é coberta, portanto, a bicicleta está tão protegida de sol e chuva quanto os carros que vão até o Sebrae.

Sinalização

Além de ter  a palavra “Bicicletário” bem grandona na parede, o que o deixa super visível, o chão ainda recebeu uma ciclofaixa que começa logo na entrada do estacionamento, para que os ciclistas pedalem com mais segurança até a área reservada para a bicicletas.

Bicicletário do Sebrae Fortaleza Blog De Bike na Cidade Sheryda Lopes   (2)

Quase um tapete vermelho

Muito amor

Tudo o que comentei até aqui tem a ver com a parte técnica de um bicicletário, o que favorece a integridade da bike e também a segurança do ciclista. Mas precisava ser bonito, gente? Sério, precisava ser tão lindo? Com essas imagens na parede, essa ciclofaixa novinha, paraciclos super bem pitados nesse verde bonito… Não precisava ser lindo, mas é. Me senti verdadeiramente bem vinda no prédio, e com uma imensa vontade de voltar. Ah, e o estacionamento é gratuito, viu? Sebrae está de parabéns! Tomara que as pessoas que vão até lá para aprender a abrir seus próprios negócios se inspirem nessa iniciativa e não deixem de receber bem os ciclistas em seus estabelecimentos. Porque ninguém merece dar de cara com paraciclo entorta raios, açougue, ou pior, ouvir que não pode guardar a bicicleta no local.

Quer ler mais resenhas de bicicletários aqui de Fortaleza? No Vlog de Bike comentei o do Pão de Açúcar e do Pátio North, ambos na avenida Bezerra de Menezes, e em outro post falei sobre o bicicletário do shopping Del Paseo.

Um abraço e vamos pedalar!