Franklin Almeida: arte, cidade, bicicleta e mar!

Estou cada vez mais aproximada do mundo das artes plásticas e cada vez mais interessada em conhecer artistas. Por isso, tenho seguido vários no Instagram e recheado meus murais do Pinterest. E um dos artistas que eu queria conhecer há vários meses era o Franklin Almeida, que me viu numa matéria de TV e fez uma charge (que eu esqueci de pedir pra ver) e uma escultura de arame inspiradas em mim e no meu blog. Depois de muitos desencontros finalmente consegui ir até ele e pude ver suas obras de perto.

Tem que ter uma selfie com o artista, né?

Tem que ter uma selfie com o artista, né?

O Franklin trabalha com materiais reaproveitados como restos de demolição e peças de computador que já não funcionam mais. Essas coisas que iriam para o lixo, nas mãos deles viram esculturas lindas, porta chaves, quadros e automatas incríveis. Automatas são esculturas/brinquedos que realizam movimentos sem o uso de energia elétrica. Além do senso de estética do artista, a criatividade para bolar os movimentos me impressionaram muito! Eu gostei muito do estilo popular das obras, sabe? Me lembraram aqueles brinquedos antigos de madeira, que tanto despertavam a imaginação das crianças.

20160424_154708

O peixe funciona como um pêndulo e dá movimento ao barco, que está apoiado unicamente naquele parafuso na base de madeira. Física e arte!

20160424_154818

Outra habilidade do Franklin é com o papel. Ele faz cartões em 3D maravilhosos que representam veículos e lugares turísticos de Fortaleza. E tudo com uma delicadeza que chega a emocionar.

Alguém reconhece esse lugar?

Alguém reconhece esse lugar?

E como falei no início, ele também trabalha com arame. Olha que coisa mais maravilhosa ele fez quando soube do meu blog! Gente, eu não mereço isso. É privilégio demais, meu povo!

20160424_161358

Peça inspirada na logo do De Bike na Cidade S2

20160424_154721

Aaaai, que coisa fofaaaa!

20160424_154731

Todo mundo já viu esta senhora em algum lugar da cidade, ou não?

Entre as principais inspirações do Franklin, o mar e as bicicletas se destacam. Além de ser ciclista, ele também surfa e por isso, costuma retratar a prática do esporte e as magrelas em suas obras. Durante minha visita, ele falou um pouco de suas técnicas e também dos desafios que enfrenta como artista. Foi um papo muito gostoso e cheio de inspiração!

Para conhecer mais do trabalho do Franklin Almeida, sigam-no no Instagram. Sério, vocês vão adorar!

Um abraço e vamos pedalar!

Look de Bike – blusa cinza e saia florida

20160309_144909

20160309_144940

Olá, bandipedaleiros! Tudo bem com vocês? Hoje vim compartilhar um look que usei para ir a uma reunião de trabalho e que acho que pode inspirar quem deseja utilizar a bicicleta no dia a dia e quer chegar prontinho ao destino. Acho que a combinação ficou confortável e muito bonita.

Combinei a regata soltinha e pra lá de confortável com essa saia florida linda que minha mãe me deu de presente de Natal (e que eu estava doida para inaugurar). O tecido da regata é leve, não fica grudado ao corpo e a cor é clara, o que ajuda a enfrentar o calor.

A saia também é soltinha e tem forro. O tecido de cima é bem leve, tipo uma renda. O bom dessa peça é que ela é muito confortável e o forro ajuda demais a evitar manchas de suor. Outra vantagem é que ela é curtinha, assim, não há risco de o tecido prender no freio de trás ou em outra peça da bicicleta. Como já contei antes para vocês, sempre pedalo com shortinhos por baixo das minhas saias, mas sei que muitas meninas se sentem bem pedalando sem a peça extra. E eu admiro demais essas gatas que tem essa confiança toda! #girlpower

Nos pés, sapato de salto baixo quadrado que escolhi para a pedalada Ciclochique no ano passado. Ele tem uma cor neutra e é muito confortável, perfeito para ciclistas urbanas que estão acostumadas com rasteirinhas e sapatilhas. Eu não tenho muitos saltos no guarda roupa, então esse nude aí é minha peça coringa para quando não sei que cor usar ou simplesmente quero dar um toque de elegância ao visual.

Por cima de tudo, um casaquinho para proteger do sol e deixar o look mais formalzinho. Se bem que olhando a foto agora, acho que teria sido melhor escolher um de cor mais neutra, pois o poá grandão é descontraído demais… Será que é neura da minha parte? Levando em conta que a minha reunião era com uma produtora cultural jovem e descontraída, talvez seja… Opinem aí!

Acidente de percurso

20160309_154332

Fotinha do meu Instagram e o alívio por não ter perdido nada

Reparem que na foto estou usando uma corrente comprida com um pingente lilás grande e um anel pendurados. Ocorre que na hora em que cheguei ao meu destino, me curvei um pouco para a frente e a corrente acabou rendendo no guidão e quebrando. 😦 A sorte é que não perdi nada! O pingente não tem valor nenhum, mas a aliança era da minha amada vozinha que faleceu em 2013! Mesmo não tendo grande valor financeiro, essa peça significa muito pra mim e me ajuda a sentir minha vozinha mais perto. #saudade

Então, fica a dica: evitem colares compridos no pedal. Vale guardar o acessório no bolso e colocar ao chegar no destino. Peças perdidas à parte, um colar que quebra no caminho pode até provocar um acidente, afinal, algo pode ficar preso na bicicleta ou você pode se distrair e levar uma queda. #armaria #deusmelivre #batenamadeira3x #vaiagourarocão

Um abraço e vamos pedalar!

Programação feminista das Ciclanas para o mês de março

Gatas guerreiras de Fortaleza, como vocês estão? Hoje é oito de março, Dia Internacional de Luta das Mulheres e eu quero dizer para você que unidas somos fortes! Unidas a gente é fodaaaa! E que unidas não tem pneu furado nem marcha desregulada que pare a gente! 🙂 Bandilinda, bandiguerreira!!

E em março as Ciclanas completam um ano de existência! Não é incrível? Parece que foi ontem que fui com as amigas encontrar um lugar para nosso primeiro encontro. Parece que foi ontem que fiz um post divulgando a atividade e que me emocionei ao ver tanta mulher incrível que botava a bike na rua. Que bichas inspiradoras, gente!

Nesse curto espaço de tempo as Ciclanas já fizeram muita coisa! São mais de duas mil mulheres que integram o grupo no Facebook e todo mês tem atividade e ciclana nova chegando. As mina que começaram o babado (eu inclusa) tiveram que se afastar um pouquinho por questões pessoais, mas o grupo continua andando cada vez mais forte, cada vez mais unido e cada vez mais impriquitadoooo!

Em março, as atividades das Ciclanas continuam e a programação está incrível. Pras mina que já fazem parte do grupo mas não se conhecem pessoalmente, pras mina que já se conhecem, pras mina que estão morrendo de medo de começar a pedalar… Confiram e cheguem junto!  E vamos continuar juntas, nos fortalecendo e nos apoiando. E Ciclanas, obrigada por tudo. 🙂 Que orgulho de nós!

12524116_750055718428076_3171173742087079_n

*Observação: O endereço da Bitelli é rua Lívio Barreto, 528A (e não 428A).

Ciclanas no Facebook: https://www.facebook.com/ciclanas 

Um abraço e vamos pedalar!

20 imagens de bicicletas em estilo mangá

Estou passando por uma fase de curtir muitos animes e ler mangás, além de arriscar fazer desenhos nesse estilo (quem segue meu Instagram já deve ter visto). Sempre gostei dessa cultura, mas não vinha consumindo com tanta frequência. Agora estou querendo assistir sagas completas de alguns desenhos mais atuais, como o fantástico Ataque ao Titã, e revendo histórias que marcaram minha infância, como as da Sailor Moon (uma canceriana chorona, dorminhoca e comilona, parecida com uma blogueira acolá).

Nessa vibe, comecei a pesquisar imagens de bicicletas em estilo mangá e separei as minhas preferidas para mostrar para vocês. Havia várias com cores e traços lindos, mas eram em sua maioria de meninas românticas sendo levadas na garupa por meninos. Isso me irritou um pouco, sabe? Quer dizer, cla-ro que não tem problema pegar uma carona, mas tipo… por que tantas meninas sendo ilustradas dessa maneira? Sendo levadas? A gente sabe que a cultura japonesa é bastante machista e acredito que tem um pouco a ver com isso. Então eu tentei encontrar imagens legais e que fugissem desse padrão da menina carona. Tomara que vocês gostem!

Ah, e uma observação: andar na garupa da bike machuca a bunda pra caramba. Eu não sei quem consegue pegar uma carona fazendo uma cara romântica e serena. Dá até para fazer uma analogia com o machismo: para algumas pessoas o lugar da mulher que é imposto pode até aparecer confortável (alguém paga a conta para ela, e tals), mas a verdade é que dói. Bom mesmo é estar no selim, comandando a própria jornada. 

(Clique nas imagens para ampliá-las)

Gostaram? Neste post eu não me ative a descobrir que desenhos são esses (alguns eu conheço, tipo Evangelion e Pokémon), mas se vocês tiverem identificado mais personagens ou conhecerem algum anime legal com personagens que pedalam, deixem as dicas nos comentários!

Um abraço e vamos pedalar!

 

 

Look de Bike – Jardineira jeans e blusinha branca

20151009_162511

O look de hoje foi fotografado num dos horários mais gostosos para pedalar, na minha opinião, que é entre 16h e 18h. Sei que a luz ficou estranha na foto, estourada, mas eu queria muito que a sensação boa de pegar esse solzinho a essa hora ficasse bem evidente. Porque é um sol morninho, sabe? Sol de despedida, agradável. É bom estar na rua e ver a galera contente voltando do trabalho, por exemplo, porque estão todos felizes (pelo menos é no que acredito). É nesse horário que a ciclovia da Bezerra fica mais lotada, cheia de pais e mães que foram buscar seus filhos na escola, pedreiros voltando para casa depois de um longo dia de trabalho e também muita gente que espera o “sol esfriar” como gostamos de dizer aqui no Ceará, para se exercitar ao ar livre.

No meu caso, saí para ir até os Correios antes que a agência fechasse para postar um celular que comprei pela Internet e que veio com defeito. 😦 Aí, aproveitei para ir até a casa nova da Aspásia Mariana para tomar um cafezinho com ela e bater um papo gostoso. Me digam se não é um programa delicioso para fazer num fim de tarde?

Quanto ao look: jardineira jeans com batinha branca e sandálias Havaianas brancas para combinar. No geral, super confortável, se não fosse pelo comprimento da jardineira, a meu ver curta demais. Não é nem pelo fator “mostrar as pernas” que peças curtas me incomodam um pouco, mas sim porque a tendência é que a barra dos shorts subam enquanto eu pedalo, aí a parte interna da coxa acaba roçando no selim, o que incomoda bastante.

E o pior é que parece que existe uma ditadura da roupa curta, né? Pelo menos eu tenho uma dificuldade grande de encontrar peças um tiquim maiores aqui em Fortaleza. De repente, todo mundo resolveu fabricar shorts com os bolsos passando do seu comprimento e com cortes na lateral externa que eu chamo de “decote de culote” que eu odeio, já que evidenciam justamente uma parte do meu corpo que não curto muito. E nada contra meninas que gostam, o que me irrita é que todas as vitrines sejam iguais, sabe? Principalmente quando o que está na moda é algo que sinto que não fica bem em mim.

Ai, como detesto esse corte na lateral, gente...

Ai, como detesto esse corte na lateral, gente…

E lá estão eles: os fundos dos bolsos

E lá estão eles: os fundos dos bolsos

Mas fora o desabafo, quero dizer que curti muito esse visual jardineira + batinha. Quando me vesti foi impossível não lembrar do filme Meu Primeiro Amor e dos looks fofíssimos da protagonista (na verdade, acho que já montei tudo pensando no longa mais amado da história da Sessão da Tarde). Ela passava várias tardes brincando e filosofando com o melhor amigo, pedalando por aí, subindo em árvores… Olha, esse filme pode passar quantas vezes quiser, que eu não vou reclamar mesmo. E continuarei amando os looks da Vada, principalmente a jardineira, que tem um ar infantil, inocente e brincalhão que eu adoro.

Quem nunca comemorou porque esse filme ia passar pela milésima vez?

Quem nunca comemorou porque esse filme ia passar pela milésima vez?

Filtro vintage para a foto em homenagem ao filme. My girl, my girl...

Filtro vintage para a foto em homenagem ao filme. My girl, my girl…

 

Um abraço e vamos pedalar!

Publicidade no De Bike na Cidade

Publicidade no De Bike na Cidade

Oi, pessoal! Hoje eu quero falar com vocês a respeito de algo do próprio blog De Bike na Cidade. Há algum tempo tomei uma decisão muito importante, que foi assumir o blog como meu trabalho. Essa decisão não foi fácil e me traz muito desafios, mas é algo no qual acredito, pois enxergo um valor muito grande no que faço. E não falo de um valor $$$, e sim relacionado ao serviço que este blog representa. Saber que há pessoas influenciadas pelo que faço e que adotaram a bike no seu dia a dia ( e saber que eu tenho pelo menos um pouquinho de crédito nisso), é muito gratificante. Principalmente quando são mulheres, que geralmente são castradas desde muito cedo, por diversos fatores. O blog é algo que me traz muito orgulho, que me motiva e algo que produzo com muito amor. Então, por que não fazer dele minha principal atividade produtiva?

Mas, eu tenho uma vida. Ela inclui contas e gatos para sustentar, não é verdade? Assim, preciso fazer com que este trabalho que já me deixa muito feliz e que precisa de tempo e esforço para ser realizado, me traga dinheiro. Inclusive porque com ele tenho despesas como Internet, eletricidade, gastos com saídas para cobrir pautas, etc. Também preciso investir em equipamentos, como câmera, celular novo (o meu está uma negação) e outros acessórios para gravar e fazer vídeos mais legais. O próprio computador que utilizo foi comprado parcelado e ainda não terminamos de pagar.

Assim, para que o De Bike na Cidade continue ativo, e para que Ciclovia e cia não passem fome, resolvi vender espaços para publicidade aqui no blog. É possível anunciar de duas maneiras: por meio de banners que serão colocados na coluna lateral e com publieditoriais.

Os publis são posts patrocinados. Posts pagos produzidos por mim e recém aprovados pelo anunciante. Banners são imagens clicáveis ou não, que expõem uma mensagem ou informação sobre o anunciante.

Isso não quer dizer que qualquer produto, marca ou empresa citados aqui no blog serão fruto de publicidade. Continuarei fazendo resenhas de produtos, de bicicletários e indicando coisas bacanas para vocês, ainda que não ganhe por isso. E para que vocês saibam quando o conteúdo for pago, todos os publieditoriais terão a seguinte assinatura:

Publieditorial.

Essa foi a forma que encontrei para ser transparente com vocês, que são meu público e que tanto me estimulam a continuar escrevendo, fotografando, pedalando… e que me fazem acreditar bem de com força neste projeto pelo qual nutro muito carinho. E é por respeito a vocês que deixo as coisas bem às claras e que farei tudo com cuidado para que o conteúdo do blog não perca a qualidade. Espero também firmar parcerias com empresas bem legais, e que possam contribuir não apenas com minhas despesas, mas que também agreguem valor ao De Bike na Cidade e que tragam a vocês algo interessante.

Inclusive, é com alegria que informo que já tenho o primeiro parceiro: a Bitelli Bikes, bicicletaria especializada em fixas e urbanas! 🙂 Trata-se de um estabelecimento jovem, mas que já chegou abalando as estruturas ciclísticas da cidade. Além de oferecerem bom serviço e um ambiente muito agradável, tem se mostrado parceiro do cicloativismo, ajudando a divulgar e recebendo ações diversas, como, por exemplo, o Papo Ciclovida. Se vocês quiserem conferir os dois publis que realizamos juntos, é só clicar aqui e aqui. E agradeço, desde já, ao Allan e à Mara, que são os proprietários, e que depositaram em mim bastante confiança, topando atrelar a imagem de seu negócio ao meu querido blog. Valeu, gente!

E caso algum de vocês esteja empreendendo e ache que seu produto ou serviço tem a ver com o De Bike na Cidade, basta me procurar que a gente conversa. O email para contato é o debikenacidade@gmail.com.

E se vocês, leitores, conhecem alguma empresa legal, podem também indicar o blog como um espaço que vocês curtem e que essa empresa possa anunciar. Não posso oferecer comissões, mas em alguma oportunidade, quem sabe a gente não racha uns churros? rsrsrs Por hora, eu continuo extremante grata pelo apoio e carinho que vocês me transmitem. É uma energia muito contagiante e que me alimenta. 🙂 #divos

E se tiverem alguma dúvida ou sugestão a respeito deste assunto, fiquem à vontade para se expressar aí nos comentários. Farei de tudo para esclarecer da melhor maneira possível, ok?

 

Um abraço e vamos pedalar!

 

 

 

Bike vs Carros, Aline Cavalcante e Ciclanas no Mês da Mobilidade

Gente, é hoje! Minha nossa senhora do aro empenado, é hoje que eu vou conhecer a Aline Cavalcante! Ela é uma das convidadas do Mês da Mobilidade e vai participar de dois eventos organizados pelas Ciclanas, além de comparecer à exibição do documentário sueco Bike vs Cars, com debate sobre o filme. E além da Aline, tem mais mulher lacradora indo debater o uso da bicicleta por mulheres, e eu nem acredito que vou mediar uma mesa tão poderosa! Ai minha deusa protetora da barra da saia presa no freio de trás, haja coração! Mas calma aí, que eu tô atropelando tudo. Vamos por partes:

Bike vs Carros 

12007160_882144555205546_91103165_n

“Nessa quinta, como parte da programação do Mês da Mobilidade, teremos a exibição do documentário sueco Bikes vs Carros. A exibição contará com um debate com nossa convidada especial, Aline Cavalcante. Se o filme já é imperdível, esse debate promete desconstruir todo o que você já pensou sobre transporte e trânsito. Você não vai deixar essa oportunidade passar, né”?

Esse documentário tem sido exibido em diversos eventos a respeito de mobilidade urbana e o uso da bicicleta em várias cidades pela mundo. Uma das personagens é a Aline, que fala sobre o contexto de São Paulo e relembra casos dolorosos, como a morte da Julie Dias, que em 2012 foi atropelada em plena avenida Paulista, onde ainda não havia ciclovia. Eu estava super curiosa para assistir esse filme e com certeza a chance de conhecer a Aline Cavalcante torna o babado imperdível. Eu sou fã assumida da garota, principalmente por causa do Pedalinas, blog que serviu de fonte de pesquisa e inspiração para que hoje eu seja uma ciclista urbana. Hoje em dia, ela acumula debate e atuação em outros espaços ligados à mobilidade urbana e continua empoderando a mulherada por aí.

Bike vs Carros + debate com Aline Cavalcante

Quando: 10 de setembro às 19h.

Onde: Cinema do Dragão do Mar.

Mais informações: Evento no Facebook.

 

 Sobre duas rodas: caminhos para emancipação feminina

12009582_882145231872145_6362694969353401872_n

“Nessa sexta feira, 11 de setembro, a partir das 19h no Auditório do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, vamos debater juntas como a bicicleta tem servido às mulheres enquanto instrumento de emancipação, desafiando o machismo, a carrocracia e reafirmando o direito da mulher ao espaço público”.

Eeeita, Giovanaaaa! Vocês conseguem imaginar como essa mesa vai ser bapho? Sério. Mais um evento organizado pelas Ciclanas e que vai divar, com certeza. Saca só o currículo das mina.

Aline Cavalcante, cicloativista paulista, protagonista do filme Bike Vs Cars, e integrante do Coletivo Pedalinas.
Ivânia de Alencar, líder de agricultores familiares cearenses, fundadora do “Ciclovida” de Pentecostes-CE, pelo qual realizou uma cicloviagem por toda a América Latina em busca de sementes criolas (o feito virou documentário também);
Dillyane Ribeiro, advogada membro do Coletivo Urucum, mestranda em Estudos de Gênero pela Universidad Nacional de Colómbia, artivista e atriz em formação.

E tem eu, mediando o babado todo! ^^ Meu povo, estou com o coração na mão e seria ótimo ter leitores e leitoras na plateia para me dar aquele apoio básico. Então, bora?

 Sobre duas rodas: caminhos para emancipação feminina

Quando: 11 de setembro às 19h.

Onde: Auditório do Dragão do Mar.

Mais informações:Evento no Facebook.

Oficina mecânica com as Ciclanas e Aline Cavalcante

12002298_882145225205479_5286842817161187953_n

É o seguinte: Se eu não aprender a arrumar a minha bicicleta depois dessa, pode me processar! Porque o que eu já perdi de chance de participar de oficina, não é brincadeira. E dessa vez, além das Ciclanas que sacam dos paranauês, ainda tem a Aline para compartilhar conhecimento. Então, prepara o lencinho umedecido para tirar a graxa da pele e vamos nessa!

Oficina mecânica

Quando: 13 de setembro às 15h.

Onde: Praça da Gentilândia.

Mais informações: Evento no Facebook.

Ufa! Só evento babado, né? E não é só isso! O Mês da Mobilidade tem muito mais coisa prevista e você pode conferir a programação todinha aqui! Então, aproveita e anota tudinho na agenda!

 

Um abraço e vamos pedalar!