Vlog de Bike – indo ao Centro de bicicleta

Saiu o segundo Vlog de Bike! E desta vez, com a participação do marido! 🙂 Fomos juntos ao Centro da cidade para comprar luminárias que usarei para iluminar melhor os vídeos que eu gravar aqui em casa para o blog. Aproveitamos o passeio para falar um pouco da Praça do Ferreira, mostrar o melhor pastel de Fortaleza (e olha que não gosto muito de pastel) e curtir o climinha romântico do começo da noite. Se vocês tiverem paciência e uma tolerância extrema a gente que fala bobagem, vão se divertir com minhas brincadeiras com o maridão. rsrsrs

Assistam, não esqueçam de deixar aquela curtida esperta, seu comentário e inscrevam-se no canal! 🙂

Quero muito saber o que vocês acham desse tipo de post para que eu possa melhorar cada vez mais. Eles estão muito longos, por exemplo? Eu gosto de assistir vídeos longos e sou meio prolixa, daí minha dificuldade de fazer vídeos curtinhos. rsrsrsrs Mas e vocês? Desabafem, abram seu coração! S2 #blogueiracoaching

Luto

Apesar de o vlog de hoje ser muito divertido, tenho que falar de um assunto triste. Na semana passada, infelizmente um senhor faleceu ao cair da ciclovia da Bezerra de Menezes direto no asfalto, sendo atropelado em seguida. 😦 Fiquei muito triste e bolada com isso, como sempre fico quando acontece alguma tragédia desse tipo, mas principalmente por ser num local que conheço bem. É impossível não pensar que poderia ter sido eu ou um amigo.

Aí depois que eu postei o vídeo, soube que ontem outro ciclista idoso morreu justamente no Centro da cidade, para onde fomos neste vlog, atropelado por um ônibus. O vídeo já estava pronto e postado, por isso não há qualquer comentário a respeito disso. Mas certamente é algo que abala profundamente toda a comunidade ciclista.

O que eu posso dizer a vocês? Sim, queridos, o trânsito é violento, as tragédias e injustiças acontecem e existe o risco. Essas notícias me assustam, e me levam a pedalar com muito medo e raiva no coração.

Sim, já deixei de sair de bicicleta ou mudei minha rota depois que algo assim aconteceu. Sou um ser humano, não quero morrer no trânsito e tenho medo. Não quero virar estatística de morte de ciclista. Seres humanos são assim, muitas vezes se deixam abalar pelo medo e pela tristeza.

Porém, a gente precisa ter coragem de mudar e de provocar as mudanças. Precisa engolir um pouco esse medo, transformá-lo em algo diferente. Em algo que nos leve à frente e que também nos mostre as alegrias da nossa cidade. Há estudos que mostram que quanto mais bicicletas na rua, menor a quantidade de mortes de ciclistas, e não o contrário, como muitos pessimistas gostam de pregar. Quanto mais bicicletas, mais motoristas conhecem ciclistas, mais motoristas pedalam e mais cuidado tendem a tomar, conforme tantas vezes me disse o Celso Sakuraba, da Ciclovida. Obviamente, quanto mais bicicletas na rua, menos carros também. E são eles os perigosos, não as bicicletas.

Os dois idosos que cito neste post (me desculpem por não dar mais detalhes ou links sobre os casos, mas confesso que ainda não tive coragem de ler muito sobre o assunto) infelizmente não voltaram para suas famílias, como eu e o maridão voltamos nesse dia em que fomos ao Centro. A alegria dos idosos foi parada bruscamente por uma cultura de violência, velocidade e poder.

E se nós parássemos essa cultura? E se ousássemos observar sorrisos e déssemos mais atenção ao som da corrente de uma bicicleta ao invés dos xingamentos e buzinas? E se parássemos para sonhar com mais justiça, educação e bicicletários ao invés de um carro novo? E se, ao dirigir, nos enxergássemos não como os veículos que conduzimos, motorizados ou não, e sim como seres humanos?

Isso já está acontecendo, ainda que não tão rápido quanto gostaria. Não a tempo de salvar a vida dos dois senhores citados neste post. Mas está, e nós podemos fazer parte disso.

 

Um abraço e vamos pedalar!

 

Anúncios

Bicicletários – North Shopping da Bezerra de Menezes

A resenha de hoje é sobre o local reservado às bicicletas no North Shopping da avenida Bezerra de Menezes. Vale ressaltar que trata-se de um estabelecimento comercial localizado na avenida onde fica uma das principais ciclovias da cidade e que tem um intenso fluxo de ciclistas.

O bicicletário é localizado próximo ao estacionamento dos carros e é cobrada uma taxa de R$ 1 pelo serviço, independente do tempo em que a bicicleta permaneça no local. Antes de ter acesso ao paraciclo, o ciclista passa por um funcionário do Shopping, que cola um selo numerado na bike e entrega um ticket, a ser validado depois no caixa.

Então, o ciclista se dirige até um corredor e ao entrar à esquerda se depara com isso:

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (5)

O caminho até o bicicletário é repleto de entulho, aparentemente restos ou reserva de materiais de construção. São canos, madeira, metal… Confesso que, enquanto caminhava por lá, a palavra “tétano” percorria minha mente com bastante insistência. E ao chegar ao local onde as bicicletas devem ser guardadas, um pouco mais à frente, vi que a coisa não melhora.

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (1)

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (3)

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (2)

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (6)

Resenha bicicletário north shopping bezerra Fortaleza blog de bike na cidade by Sheryda Lopes (4)

Sim, trata-se de um paraciclo do tipo açougue, desses em que é preciso levantar a bicicleta e pendurá-la em ganchos. Além de não ser o modelo mais acessível e benéfico para a própria bicicleta, a estrutura é aparentemente velha, suja e enferrujada (tétano, tétano, tétano). E assim como o caminho a ser percorrido até a chegada no local, o ambiente também está repleto  de materiais de reforma.

Minha avaliação: É bem desagradável, como cliente que, inclusive, está pagando pelo serviço, ser conduzida até um ambiente assim. Ainda que o estacionamento para as bicicletas fosse gratuito, não é como quero ser tratada quando saio de casa, principalmente se estou pagando pela segurança e integridade da minha bicicleta.

Vantagens: O local é coberto e razoavelmente protegido do sol e chuva. Digo razoavelmente porque há um portão, trancado, que permite a entrada de luz e há horários em que a luz e calor do sol atingem as bicicletas. Inclusive dá para ver isso em algumas fotos. Não sei se quando chove há o risco de molhá-las, mas acredito que não. Inclusive porque há bastante madeira no ambiente e nenhum sinal de mofo, portanto, sem sinal de madeira molhada. #elementarmeucaroWatson

Outra vantagem é que para ter acesso ao local, é necessário passar pelo funcionário do Shopping e mostrar para ele o ticket pago. Nunca cheguei para buscar minha bicicleta e não encontrei o responsável na entrada. Assim, creio que ela realmente fica segura. Eu preferiria que o paraciclo não fosse tão isolado, pois creio que num descuido ficaria mais fácil furtar uma bike. Além disso, é meio sinistro ir até lá. Por via das dúvidas, sempre que deixo a bicicleta em qualquer local, tiro uma fotografia. Assim, tenho como provar onde deixei meu amado veículo, e até mostrar para a polícia se for necessário. #ficadica

Posicionamento

Entrei em contato com a assessoria de comunicação do North Shopping e abordei os pontos levantados neste post. Por email, a empresa respondeu que:

“O bicicletário é provisório, pois algumas intervenções estão acontecendo no Shopping. Mesmo sendo provisório, já foi sinalizado a melhoria para o espaço para um atendimento mais adequado aos nossos clientes. Existe um projeto padrão de revitalização do espaço que será implantado”.

Maiores detalhes sobre essa revitalização, padrão ou prazo para que ela seja realizada, não foram revelados, mas eles ficaram de me avisar quando houver mais novidades. Quanto ao valor cobrado pelo serviço, segundo as informações, é um “custo simbólico para manutenção do controle de acesso e pagamento do seguro”.

Eu vou esperar ansiosa por essas mudanças e quando acontecerem, mostrarei aqui no blog para vocês, é claro! E, como sempre, agradeço pela disponibilidade da empresa em conversar comigo e expôr seu ponto de vista.

Um abraço e vamos pedalar!

Bicicletários – Estácio FIC, sede Moreira Campos

Resenha bicicletário Estácio FIC Moreira Campos De Bike na Cidade (1)

Na ausência de paraciclos, bicicletas ficam presas na grade

No dia em fui de bicicleta à faculdade Estácio FIC – sede Moreira Campos, que fica na Aldeota, estava muito otimista porque soube por um aluno que o uso das bikes por estudantes de lá tem aumentado bastante.  Só que me deparei com um problema: Não havia onde guardar, “oficialmente” a bicicleta. 😦

Um segurança da instituição informou que não havia bicicletário, e que eu teria que guardar a bicicleta onde os outros alunos costumam deixar: presa na grade da entrada da Faculdade. Como o dia estava chuvoso e a grade não contava com proteção contra a chuva, pedi para prendê-la num local coberto onde havia uma coluna. O segurança permitiu, mas logo em seguida pediu que eu a retirasse, pois havia sido informado que isso não era permitido.

Resenha bicicletário Estácio FIC Moreira Campos De Bike na Cidade (3)

Resenha bicicletário Estácio FIC Moreira Campos De Bike na Cidade (2)

Então deixei a bicicleta onde ele me indicou, bem na entrada da Faculdade, numa grade. O bom é que é um lugar com bastante movimento e bem iluminado, e por isso não senti tanta insegurança. Só que é chato deixar a bike assim, descoberta, com perigo de molhar e ter a corrente enferrujada. E me irritou um pouco o fato de haverem lugares cobertos onde eu poderia deixar a bicicleta, sem atrapalhar os transeuntes, e isso não ser permitido. :/ Às vezes o estabelecimento realmente não está preparado para receber as bicicletas, mas se mostra flexível e nos ajuda a acomodá-la num local mais seguro, mas não foi bem o que aconteceu nesse dia. Ainda assim, foi permitido que eu deixasse a Lanterna do lado de dentro da Instituição, e há ocasiões em que nem isso é permitido.

Posicionamento

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Estácio informou que, diante da ausência de legislação que obrigue a instalação de bicicletários em instituições de ensino, a empresa providencia a estrutura conforme a demanda. No caso da sede Moreira Campos, segundo as informações, a procura por esse serviço é pequena.

Legislação

A lei 9701/10, que obrigava prédios públicos e privados a instalarem bicicletários, foi revogada no final do ano passado por meio do Plano Diretor Cicloviário de Fortaleza (PDCI). “Com isso, apenas novos projetos precisam instalar bicicletários em suas estruturas, para que sejam aprovados pela Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma). O problema é que os estabelecimentos que já existiam na cidade ficaram irregulares por todo esse período, aí surgiu uma lei que diz que eles não estão mais irregulares”, explica o advogado Celso Sakuraba, diretor da Associação de Ciclistas Urbanos de Fortaleza. “Protestamos contra essa revogação, principalmente porque a instalação de um bicicletário é algo simples e barato”, completa.

Plano Diretor Cicloviário de Fortaleza

A lei n° 10302 de 2014, que trata do PDCI, está na página 6 do Diário Oficial do Município do dia 23 de dezembro de 2014. Acesse clicando aqui.

Um abraço e vamos pedalar!

Bicicletários – Sebrae da Monsenhor Tabosa

Acho que quem chega de carro sente até inveja

Acho que quem chega de carro sente até inveja

Tive uma grata surpresa ao me dirigir à sede do Sebrae que fica na avenida Monsenhor Tabosa, na Praia de Iracema, e procurar o bicicletário. Gente, que “corra mar linda”, como a gente diz aqui no Ceará. Sério, um bicicletário perfeito, na minha opinião.

Com paraciclos em formato de “U” invertido, que é o melhor modelo, a bicicleta fica perfeitamente apoiada, sem risco de tombar ou entortar os raios. Além disso, esse modelo permite que a bike seja trancada tanto pelo quadro, quanto pelas rodas, o que garante uma segurança adicional à sua querida magrela. Os paraciclos têm bastante espaço entre eles, e com isso os ciclistas podem manobrar de forma mais confortável, sem esbarrar em outras bicicletas ou derrubá-las. É bom lembrar também que a área é coberta, portanto, a bicicleta está tão protegida de sol e chuva quanto os carros que vão até o Sebrae.

Sinalização

Além de ter  a palavra “Bicicletário” bem grandona na parede, o que o deixa super visível, o chão ainda recebeu uma ciclofaixa que começa logo na entrada do estacionamento, para que os ciclistas pedalem com mais segurança até a área reservada para a bicicletas.

Bicicletário do Sebrae Fortaleza Blog De Bike na Cidade Sheryda Lopes   (2)

Quase um tapete vermelho

Muito amor

Tudo o que comentei até aqui tem a ver com a parte técnica de um bicicletário, o que favorece a integridade da bike e também a segurança do ciclista. Mas precisava ser bonito, gente? Sério, precisava ser tão lindo? Com essas imagens na parede, essa ciclofaixa novinha, paraciclos super bem pitados nesse verde bonito… Não precisava ser lindo, mas é. Me senti verdadeiramente bem vinda no prédio, e com uma imensa vontade de voltar. Ah, e o estacionamento é gratuito, viu? Sebrae está de parabéns! Tomara que as pessoas que vão até lá para aprender a abrir seus próprios negócios se inspirem nessa iniciativa e não deixem de receber bem os ciclistas em seus estabelecimentos. Porque ninguém merece dar de cara com paraciclo entorta raios, açougue, ou pior, ouvir que não pode guardar a bicicleta no local.

Quer ler mais resenhas de bicicletários aqui de Fortaleza? No Vlog de Bike comentei o do Pão de Açúcar e do Pátio North, ambos na avenida Bezerra de Menezes, e em outro post falei sobre o bicicletário do shopping Del Paseo.

Um abraço e vamos pedalar!

 

Look de Bike – saia rosa e blusa cinza; bicicletário do Extra

No post de hoje, além de uma sugestão de look para o trabalho, conheça um pouquinho da rotina de quem usa a bicicleta para atividades do cotidiano, como uma ida ao supermercado

Para voltar às atividades após o Carnaval (tá eu sei que tem gente na labuta desde a Quarta de Cinzas), aí vai uma sugestão de look que acredito que cairia muito bem para vários compromissos. Aproveito também para compartilhar com vocês um pouquinho de uma saída de bike. Fui encontrar uma cliente para entregar um produto (tem um tempinho que virei uma representante Eudora, se você estiver precisando de algo, me avisa) e em seguida fui até o supermercado. O percurso inteiro deve ter somado cerca de dez quilômetros, que eu poderia ter percorrido de ônibus ou carro (se tivesse), mas é perfeitamente possível e prazeroso ir aos compromissos de bike. Então, fui 🙂 Tomara que o post te inspire a escolher uns compromissos para ir de bike também.

Look Cycle Chic De Bike na Cidade Blusa cinza e saia plissada rosa - ida ao Extra - Sheryda Lopes - by Francisco Barbosa (9)

Look Cycle Chic De Bike na Cidade Blusa cinza e saia plissada rosa - ida ao Extra - Sheryda Lopes - by Francisco Barbosa (8)

 

Look Cycle Chic De Bike na Cidade Blusa cinza e saia plissada rosa - ida ao Extra - Sheryda Lopes - by Francisco Barbosa (1)

Eu não precisava ter me arrumado tanto, mas não sei se já aconteceu com vocês, de começar e não conseguir parar. rsrsrsrs Simplesmente fiquei com vontade de usar essa roupa, aí comecei a fazer a maquiagem, e acabei me vestindo bem demais. rrsrsrs No final achei que ficou parecendo um look meio professorinha, ainda mais com o cabelo preso.

Essa blusa suuuuper confortável entrou para o hall das roupas fofas e super pedaláveis. Ela foi comprada na Riachuello e é muito levinha, além de ter uma cor básica e um comprimento grandão, que ajuda a não dar brecha durante o pedal. Gostei tanto do modelo que comprei uma preta também. Já a saia é irmã de outra que já apareceu aqui no blog, e que é bem velhinha, mas é meu xodó. Ela é plissada, o que adoro e tem essa rendinha diferente no forro. Além disso é muito, muito leve e eu também acho chique, por causa desse tom rosa meio antigo. Eu já usei tanto essa saia que é capaz de vocês verem ela pedalando sozinha por aí. Caso isso aconteça, favor guardá-la e mandar um email me avisando ^^.

Nos pés, sapatilha comprada na Monsenhor Tabosa e que também já apareceu em outro look. Ela costuma machucar um pouco meu pé na altura do tornozelo, e isso aconteceu nesse dia. Sempre lamento porque esqueço de pôr um band aid e também porque eu adoro as cores neutras dessa sapatilha. Apesar de estampada, ela tem uns tons beges super fofinhos. Achei que os tons do look inteiro ficaram bem serenos nesse dia, o que não combinou muito com o clima (tava fazendo um calor do cão), mas ficariam bem nesse clima chuvoso que está fazendo aqui em Fortaleza. Aliás, São Pedro, pode mandar mais chuva que meu Brasil tá precisando, viu?

Ah, e repararam que a bicicleta está diferente? Então, eu não pintei a Shamira de verde. Essa aí na foto é a Lanterna, a bike do maridão, que quebrou o maior galho já que a minha bicicleta estava internada na oficina depois de me deixar na mão no pré-carnaval.

Ida ao Supermercado

E depois de entregar os batons da minha cliente, resolvi passar no Hipermercado Extra para comprar ricota e umas frutinhas, além de ver se encontrava outras coisas que estava precisando.

O Extra da avenida Mister Hull tem paraciclos bem bacanas, que apóiam bem as bicicletas e têm bastante vagas. Infelizmente ele não é coberto, então a bike fica sujeita a levar sol e chuva em suas peças, enquanto o estacionamento dos carros tem vários toldos que os protegem. Outro problema do local é que não há uma sinalização ou funcionário que oriente os clientes, e é super comum encontrar motos ocupando as vagas das bikes. Aliás, eu não sei que tesão é esse que alguns motociclistas têm por paraciclos. Eles sequer prendem as motos nessas estruturas, mas adoram estacioná-las na frente delas, impedindo que a gente tenha onde prender nossas magrelas. Por sorte, quando cheguei ao local todas as vagas no bicicletário estavam livres e pude estacionar a Lanterna sem problemas.

Look Cycle Chic De Bike na Cidade Blusa cinza e saia plissada rosa - ida ao Extra - Sheryda Lopes - by Francisco Barbosa (2)

Dentro do estabelecimento, aproveitei o ar condicionado que traz bastante alívio para quem estava pedalando no sol. Comecei a passear um pouquinho e acabei encontrando um capacete lindo e num preço até razoável e fiquei com muita vontade de levar. Mas além de não poder gastar com isso agora  – e meu capacete tá em boas condições – tenho conversado com alguns ciclistas sobre o equipamento ser mesmo necessário ou não para nós que usamos a bicicleta no meio urbano. É assunto para outro post, mas fique à vontade para deixar sua opinião aí nos comentários. Independente disso, a estampa desse que encontrei é muito bonita e tem esse modelo meio Formiguinha Atômica, que é o que eu mais gosto.

Look Cycle Chic De Bike na Cidade Blusa cinza e saia plissada rosa - ida ao Extra - Sheryda Lopes - by Francisco Barbosa (3)

Se bem me lembro, este capacete com estampa bonita estava custando R$ 60

Indo às compras do lar, peguei uma ricota e algumas peras e fui até o caixa. Eu queria comprar poucas coisas mesmo, e além disso, a Lanterna não tem bagageiro então não daria para comprar tantos itens assim. Fiquei ouvindo podcasts na fila enquanto me segurava para pegar chocolate, salgadinho e outras tranqueiras que adoro. É por isso, aliás, que quando vou ao supermercado com a conta certinha do que vou comprar, evito pegar cestinha e carrinho. Assim é mais difícil se render à tentação. 😉

Look Cycle Chic De Bike na Cidade Blusa cinza e saia plissada rosa - ida ao Extra - Sheryda Lopes - by Francisco Barbosa (4)

Look Cycle Chic De Bike na Cidade Blusa cinza e saia plissada rosa - ida ao Extra - Sheryda Lopes - by Francisco Barbosa (5)

Look Cycle Chic De Bike na Cidade Blusa cinza e saia plissada rosa - ida ao Extra - Sheryda Lopes - by Francisco Barbosa (6)

Eu na fila com tudo nas mãos para não pegar um saco de Doritos

Quando voltei ao estacionamento, havia outras bikes estacionadas e – infelizmente – motos também. Ai, gente, pára com isso!  :/ Dividi o peso das minhas compras em duas sacolinhas e encaixei uma em cada manopla. Reparem nos nós do saquinho que são bem importantes para ele não ficar dançando enquanto você pedala. Cheguei em casa rapidinho – bom para a ricota que não ficou muito tempo sem refrigeração – e guardei as comprinhas na geladeira. E sem ter ficado estressada com engarrafamento 🙂

Look Cycle Chic De Bike na Cidade Blusa cinza e saia plissada rosa - ida ao Extra - Sheryda Lopes - by Francisco Barbosa (7)

Posicionamento da empresa

Entrei em contato com a empresa que faz a assessoria de imprensa do Grupo Pão de Açúcar – ao qual o Extra pertence – a respeito dos pontos levantados neste post, como falta de sinalização, cobertura e fiscalização no bicicletário do estabelecimento. Por email, eles me enviaram uma nota, que publico abaixo na íntegra:

O Extra pauta suas ações no respeito ao cliente e possui, em seu estacionamento, um bicicletário com capacidade para 11 bicicletas. A rede agradece suas sugestões e informa que vai avaliar os pontos levantados para que possa aprimorar o serviço oferecido aos seus clientes. A empresa  permanece à disposição.

E você, onde costuma ir de bicicleta? Onde é mais bem recebido? Conta aí nos comentários!

Um abraço e vamos pedalar!

Bicicletários – Shopping Del Paseo

 Há algum tempo eu tinha algumas coisas para resolver nas proximidades do Shopping Del Paseo, que fica aqui em Fortaleza, na avenida Santos Dumont.  Depois dos compromissos, resolvi almoçar no Shopping e fui em busca do bicicletário, que ainda não conhecia. Confesso que o que encontrei não me agradou.

A estrutura disponibilizada gratuitamente pelo Shopping fica do lado de fora, um pouco recuada, sem ocupar o espaço da calçada, e é do tipo ‘açougue’, que é quando pendura-se uma das rodas num gancho, deixando a bike na vertical. É uma maneira pouco acessível para pessoas mais fracas (como eu), pois é necessário levantar a bicicleta, e eu nunca consegui fazer isso sozinha. Outra desvantagem é que, se não tiver altura suficiente, rodas maiores podem encostar no chão, danificando o paralamas ou outras peças. Por sorte, não é o caso deste.

Então temos um bicicletário com estrutura pouco acessível, e sem nenhum funcionário por perto para fazer a segurança ou ajudar quem tivesse dificuldades. Sorte a minha que sempre encontro bons personagens na amada capital cearense. Passando por perto, o Marcilio Tavares viu minha angústia e ofereceu ajuda. Nessas horas vem aqueles pensamentos de não fale com estranhos e tal, mas eu não tinha alternativa e aceitei a gentileza. E olha só: depois de pendurar a bike, ele contou que ama andar de bicicleta e que já foi batedor de diversos grupos de passeio, mas atualmente só dá aulas de muay thai. O amor pelo pedal é representado com orgulho por meio de um pingente dourado que ele usa, em formato de bicicleta (também quero um).  Gentileza, fofura e estilo, tudo numa pessoa só.  A gente curte!

20140507_125356

Shamira pendurada

BicicletárioDelPaseo_Blogdebikenacidade_SherydaLopes

Não é fácil pendurar a bike desse jeito não

20140507_124902

Sorte a minha que encontrei quem me ajudasse 🙂

P.S.: Entrei em contato com a assessoria de comunicação do Shopping falando a respeito da estrutura do bicicletário, mas não obtive retorno.

P.S2.: Quero saber a opinião de vocês sobre bicicletários: ser gratuito é suficiente?

Um abraço e vamos pedalar!