Começam os preparativos para o II Fórum Nordestino da Bicicleta em Fortaleza

fnebici

(Foto: Ju Brainer. Retirada do Prefiro ir de Bike)

Oi, people! Seguinte: o post de hoje é uma convocação! Acontece que o II Fórum Nordestino da Bicicleta (FNEBICI) já tem data e local marcados! Será na minha amada e ensolarada Fortaleza, de 11 a 15 de novembro deste ano. E como um evento desse porte exige muito trabalho e organização, as reuniões já começaram e precisam ter a máxima participação de ciclistas de todos os estados nordestinos, como uma forma de garantir pluralidade nas falas e claro, o fortalecimento da bicicleta na nossa região.

“É importante pois podemos olhar e conhecer melhor nossos vizinhos e dessa forma podemos entender as ações e realidades de estados mais próximos da gente. É também uma etapa importante de reconhecimento e empoderamento a partir do momento em que ouvimos vozes e experiências parecidas com as nossas”, comenta Daniel Neves, conselheiro fiscal da Ciclovida e responsável pela Comissão de Comunicação e Design do Fórum.  A Ciclovida (Associação dos Ciclistas Urbanos de Fortaleza) está à frente da organização do evento em 2016.

Assim como no ano passado, sete estados estão participando da construção do Fórum. Mas Daniel faz um chamado especial ao Maranhão e Piauí. “Atualmente estamos buscando associações, coletivos e ciclistas desses estados, pois sentimos falta de sua presença no primeiro encontro”, diz. Atualmente, há quatro comissões onde é possível contribuir: Programação, Comunicação, Estrutura e Financeiro.

Segundo Daniel Valença, coordenador geral da Ameciclo (Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife), organização que tocou o evento em 2015,  a atuação dos cearenses no ano passado representou uma grande contribuição para o Fórum. Para ele, o FNEBICI marcou a capital pernambucana e o cicloativismo regional. “Pudemos trocar informação com outras associações e descobrir que não somos os únicos com problemas parecidos. Também foi possível aprender com as pautas que foram colocadas e também com o grande esforço voluntário, que é sempre recompensador”, avalia.

Para entrar no time que está organizando o Fórum, basta entrar no link da lista de emails  e solicitar participação na construção do evento. E vale a pena também curtir e seguir o evento nas redes sociais para não perder nenhuma novidade!

II FNEBICI – Fortaleza

Curta a fanpage.

Siga no Instagram.

Um abraço e vamos pedalar!

 

Anúncios

Em 2016, eu quero estrada!

Quero viajar 2016 Phelipe Rabay de Bike na Cidade

Um dos principais desejos de 2016: botar Shamira na estrada  Foto: Phelipe Rabay

E finalmente 2015 acabou! E que ano! Teve muita coisa boa, muita coisa ruim e muita coisa doida para a gente lembrar. E isso em muitas áreas, tanto em relação a política, cultura, cultura de Internet (quem aí não soltou um falsete esse ano, hein?) e por aí vai.

No meu caso, foi o ano em que os acessos e visibilidade do De Bike na Cidade quase quadruplicaram, o ano em que conheci mais mulheres que pedalam e as vi se mobilizando e sujando as mãos de graxa para aprender a consertar suas bicicletas. O nascimento das Ciclanas foi um marco, certamente.

Tive a chance de conhecer Recife e lá vi organizações nordestinas debatendo o uso das bikes. E também conheci Aline Cavalcante e Renata Falzoni e participei de debates sobre mulher e bicicleta com as duas! :O

Crescimento do blog em 2015 :)

Crescimento do blog em 2015 🙂

1540485_720434528056862_3375413331627743156_o

Ciclanas na confraternização de fim de ano

Bike vs Cars Roda de Conversa com mulheres ciclistas ciclanas MM2015 Fortaleza Ciclovida De Bike na Cidade Sheryda Lopes (10)

Que honra fazer parte disso!

Que honra fazer parte disso!

Também foi o ano em que fui procurada várias vezes por colegas da imprensa e servi de fonte para suas matérias. Eu, que antes cumpria o papel de jornalista, enchendo os entrevistados de perguntas, aprendi mais um pouco sobre estar do outro lado.

Revista Gente

Na Revista Gente.

Consegui o primeiro parceiro para o blog e ganhei meus primeiros dinheirinhos com ele. E foi o ano em que lancei o canal do You Tube e pude publicar nele maravilhosos registros, como a primeira vez em que Shamira viajou de avião!

No You Tube, outro vídeo publicado especialmente para agradecer a um leitor por um presente maravilhoso e que me mostrou o quanto esse trabalho ajuda as pessoas que sentem vontade de pedalar no meio urbano. Além da câmera que ganhei do Eraldo, ganhei dois livros (ainda não fui buscar o segundo, mas vou!) e muitos comentários, emails e mensagens de pessoas que queriam dicas sobre como pedalar, agradeceram por eu fazer o blog e fotinhas de suas queridas bicicletas. E a cada vez que isso aconteceu, eu me senti mais feliz! Obrigada, mesmo pessoal! :,)

E em 2015 eu entrei no Vitrola Nova! Comecei a cantar (algo que até pouco tempo me deixava em pânico) e pude participar de experiências fantásticas como cantar no Cine São Luiz junto ao Ednardo e me apresentar no palco principal do Teatro José de Alencar. Fora as reflexões e sentimentos trazidos pelo trabalho com o corpo e voz.

12039084_943915415680702_7248375527948304096_o

Eu toda águia para cantar Pavão Misterioso no Cine São Luiz

12075051_944232008982376_418395496385632980_n

Foto: Wagner Girão

12047108_971190849598504_1805436220618819107_n

O grupo, antes de subir no palco. Foto: Wagner Girão

12314475_477790609095708_3784332426805841660_o

Felizes após o espetáculo Vitrola de Novembro, no Teatro José de Alencar. Detalhe: usei as luzinhas da bicicleta no cabelo! ^^ Foto: Toni Benvenuti

E bateu a bad…

Desenho Sheryda Lopes De Bike na Cidade Good Bye Yellow Brick Road

Desenho feito com lápis de cor e uma vontade doida de entender a tristeza

Mesmo com todas essas coisas boas que rolaram esse ano, nos últimos meses algumas questões pessoais e políticas (violência no trânsito e na imprensa também contam) jogaram areia nas minhas alegrias e esperanças. E isso me abalou bastante, por isso, precisei de tempo e perdi bastante o ânimo para as postagens no De Bike na Cidade. Até mesmo sair de casa se mostrou motivo de grande esforço, porque parece que quando a gente está triste evitamos o que nos faz feliz. Pode parecer autossabotagem, mas tenho uma amiga que sempre me diz que às vezes precisamos ficar mesmo na fossa e sentir toda a tristeza… para então conseguir respirar fundo e retomar a vida com força e sorrisos.

E em 2016 quero muito viver os meus medos e tristezas de uma forma que eu consiga amadurecer e me fortalecer. Que fiquem as lições, seja com cicatrizes ou não. Tomar decisões importantes, confiar nos meus próprios sentimentos, me respeitar e conquistar/recuperar autoconfiança. Respirar fundo, beeeeem fundo. Ver as coisas que me atraem como possibilidades, não como algo que “me tire o foco” ou “sem futuro”. Ter coragem de experimentar e viver. Pegar leve nas expectativas. Conseguir caminhar (e pedalar, claro) nessa estrada doida que é a vida da gente. E que muitas vezes não tem ciclovia nem calçada.

Uma das coisas que quero realizar este ano e que deve me ajudar muito nesse processo é uma cicloviagem. Já tem um bom tempo que tô a fim de botar o pedal na estrada, mas a falta de dinheiro, estrutura e outras desculpas me impediram. Mas agora estou decidida e espero fazer isso ainda em janeiro. E já estou atiçando as Ciclanas para isso e em breve espero contar para vocês aqui como foi a experiência. Vencer horizontes, percorrer distâncias com as próprias forças, conversar com mulheres corajosas, sentir a solidão da estrada… quer mais o quê para quem está precisando renovar as forças nesse início de ano?

E para inspirar, algumas fotos de uma cicloviagem que ciclanas e um amigo realizaram no ano passado e que me mata de inveja. Elas foram a Pentecoste, um município localizado a 91 quilômetros de Fortaleza. Lá, visitaram o casal Ivânia e Inácio, agricultores ambientalistas que pedalaram cerca de 10 mil quilômetros trocando sementes crioulas,  (grãos livres das intervenções científicas e econômicas do agronegócio). Vocês podem conferir essa história incrível vendo o documentário sobre eles no You Tube.

Outra experiência fantástica foi a da amiga Rosana Reis que viajou com um grupo de ciclistas pelo litoral para passar as festas de fim de ano. Essa viagem já é uma tradição entre amigos e eu até já entrevistei uma menina que estava se preparando para ela no final de 2014. Lembram?

(Clique nas imagens para ampliar)

Ida a Pentecostes

Viagem pelo litoral

Então, 2016. Eu posso não estar forte ainda o suficiente para você.

Mas estamos trabalhando nisso. 😉

 

Feliz ano novo,

um abraço e vamos pedalar!

Entre irmãs e irmãos – Fórum Nordestino da Bicicleta

De Bike na Cidade FNEBICI 2015 Recife Bicicleta Sheryda Lopes (9)

Foto: FNEBICI 2015

Já falei muitas vezes sobre a minha história com a bicicleta e sobre o quanto precisei de tempo para amadurecer e quebrar barreiras até que, efetivamente, começasse a pedalar. E desde que Shamira entrou na minha vida, as coisas vem mudando muito, tanto na minha relação com a cidade quanto naquela que tenho comigo mesma. Em 2015 estou zerando a vida: conheci mulheres da minha cidade que pedalam e se apóiam. Conheci Aline Cavalcante, cujos escritos e ações me ajudaram no tempo em que ainda sonhava com pedais. E na semana passada tive a honra de viajar para Recife para o primeiro Fórum Nordestino da Bicicleta, para falar sobre a experiência sensacional das Ciclanas aqui em Fortaleza e contar um pouquinho da minha própria história. Lá, conheci ainda a Renata Falzoni, uma jornalista e ciclista urbana que admiro bastante.

Foram quatro dias trocando ideias com cicloativistas nordestinos e alguns de outras regiões. E como foi bom estar ali, ouvindo aqueles sotaques diferentes do meu mas que traziam todos uma essência de Nordeste. Eram depoimentos e reflexões relacionadas ao uso da bicicleta, como já havia lido tantas vezes nos blogs do Sul e Sudeste que me informaram muito e continuam me informando. Mas, desta vez, eram relatos onde me identificava por causa do clima e da cultura. Senti que estava entre os meus. E minhas! Siiiim! Quantas mulheres nordestinas arretadas, guerreiras, descendentes de tantas outras nordestinas que fizeram sua luta nesse nosso chão, que seja rachado pela seca, molhado pelo mar ou pela lama do mangue, ou ainda, cujos pés subiram e desceram nossas serras enfrentando o machismo, tão intenso e cruel na nossa região. E quantas não pedalam, nesse Nordeste? Pois bem, fomos pauta e fizemos pauta nesse primeiro Fórum! E juntas, escreveremos história que orgulharão nossas netas. Parafraseando Ivânia de Alencar, bruxas de nós mesmas, sim!

E que mulheres loucas para mobilizar! Fala-se em Ciclanas em outros estados! Fala-se em construir debates, pedaladas, coletivos ciclofeministas regionais e nacionais! Nossas fitinhas inspiraram e viajaram para a Bahia, Paraíba, Sergipe… Enfeitam bicicletas cujas donas vão colocar a boca no trombone e o dedo nessa ferida aberta e fedida que é o machismo, presente até mesmo na fala de alguns homens que afirmam pedalar pelo direito à cidade. Ah, mas não esquecendo também dos companheiros dispostos a refletir sobre seus próprios privilégios e fortalecer o debate.

E falamos também da bike na periferia, refletindo sobre a invisibilidade de tantas bicicletas velhas e enferrujadas que carregam pessoas e sustento todos os dias. Esse Fórum representou passos dados rumo a um Nordeste que já anda de bicicleta desde que o mundo é mundo, e que agora pedala rumo a um diálogo cada vez mais transversal.

E no ano que vem, Fortaleza vai sediar a segunda edição do evento! Quero ver esta capital cheinha de cor! Quero ver quem faz o melhor baião de dois e que novidades vão enriquecer nossa cidade. E quero receber meus irmãos e irmãs nordestinas tão bem quanto fui recebida lá em Recife.

2016, chega logo que a gente já está se coçando para dar o grau aqui!

Um abraço e vamos pedalar!

Estamos de volta!

DSCF0093

Pessoal, quanta coisa linda Shamira e eu vimos nos últimos dias. Chegamos ontem em Fortaleza e com muita vontade de ficar por mais tempo e tentar beber mais dessa terra que é Recife. Estou inebriada ainda e doida para contar muitas coisas para vocês. Porém, ainda estou cansada da viagem e preciso respirar e organizar todo o material. Por hora, agradeço a Pernambuco por me receber e agradeço também a todos e todas as cicloativistas, amigos e anjos que surgiram em meu caminho e que ajudaram a concretizar essa jornada. E que vontade de pedalar por novos estados, gente! Shamira e eu estamos famintas por novos horizontes!

Então, aguardem por mais notícias dessa viagem que eu volto logo, visse?

Um abraço e vamos pedalar!

Rumo a Recife – Fórum Nordestino da Bicicleta

Screen-Shot-2015-08-05-at-12.57.51-PM1

Gente, tô super emocionada! Amanhã embarco para Recife para o Fórum Nordestino de Bicicleta. Só isso já me deixa feliz pra caramba, já que é a primeira vez que participo de um evento como esse ligado a bikes (já participei de outros fóruns, com outros temas, e foram experiências enriquecedoras) e também é a primeira vez que visito Recife, cidade da qual falam tão bem. Mas some a isso o fato de que, além de serem quatro dias de palestras, painéis, exibição de filmes, entre outras atividades, haverá uma roda de diálogo sobre  o Papel da Bicicleta na Emancipação Feminina! E adivinhem quem recebeu a honra de participar dessa atividade, representando as Ciclanas? Eu!

Gente, conhecer mulheres de Fortaleza que pedalam, Aline Cavalcante, mulheres de outros estados nordestinos, Recife, tudo no mesmo ano, é muita emoção para este coração feminista bicicleteiro! Quero muito agradecer à Ciclovida por ter disponibilizado as duas passagens ofertadas pela organização para que mulheres daqui de Fortaleza pudessem participar (sem isso eu provavelmente não teria como ir), às Ciclanas por permitirem que eu nos represente e também à Valéria Pires, a ciclista de Recife que vai me hospedar durante esses dias. Obrigada mesmo!

E aproveito também para agradecer antecipadamente ao Ênio Paipa, Bike Anjo de Recife que conheci aqui no mês passado, por ir me buscar no aeroporto. Siiiim! Eu vou pedalando para o Aeroporto daqui, vou levar Shamira, e vou sair pedalando do Aeroporto de Recife!! Geeente, que emoção! Shamira vai voar! Tô muito ansiosa por essa experiência! Já andei treinando com o marido como desmontar algumas partes da bicicleta e tudo, caso seja necessário. Torcendo para não precisar tirar os pedais, já que não consegui fazer isso. ^^’

Shamira semidesmontada!

Shamira semidesmontada! O canal Chave Quinze me ajudou muito. Super vale a visita! (Foto do meu Instagram)

E eu espero produzir conteúdo para o blog sobre o que vai rolar nesses dias, mas não sei se vou conseguir fazer isso lá ou só quando voltar. Então, tenham um tantinho de paciência e, se quiserem me acompanhar em tempo real, sigam-me no Instagram que eu provavelmente vou postar muuuita fotinha! Meu perfil é @sherydalopes.

Ah, e para quem não for participar do evento (se você vai e conhece o blog, não deixa de falar comigo por lá, por favor), dá uma olhadinha na programação e fala o que vocês mais acharam interessante e gostariam que eu comentasse. Assim posso tentar dar uma atenção especial a esse tema. 😉

Fórum Nordestino da Bicicleta

Site: www.fnebici.com.br/

Facebook: facebook.com/fnebici

Então, até logo!

Um abraço e vamos pedalar!

Bike vs Cars e Mesa redonda com mulheres ciclistas

Gente, muita emoção na última semana. Sério, haja coração bicicleteiro e feminista para tanta provocação e alegria. Como já contei aqui, a Aline Cavalcante veio a Fortaleza para participar de eventos do Mês da Mobilidade, inclusive alguns que foram organizados pelas Ciclanas. Eu consegui ir a dois deles e ai minha nossa senhora da buzininha trim-trim! Se só a presença da guerreira já era motivo para eu me passar de emoção, junte a isso um filme incrível e mais uma ruma de mulher ciclista arrebatadora! Meu povo, tô anestesiada até agora!

Na quinta-feira o documentário Bike vs Carros foi exibido gratuitamente no cinema do Dragão do Mar e após o filme, a Aline bateu um papo com a plateia. E foi uma lindeza ver aquele Dragão lotado de bicicleta, uma sala entupida de gente interessada em conhecer o filme e debater sobre mobilidade urbana. E o filme? Incrível, envolvente, com uma pesquisa muito bem feita! Se vocês tiverem a chance de assistir, não percam porque é mesmo muito bom! Trata-se de um documentário sueco que fala sobre a situação do trânsito e do uso da bicicleta em várias cidades pelo mundo. Aqui no Brasil, o filme mostra São Paulo e a personagem entrevistada é a Aline, que de forma super simpática, tirou dúvidas da plateia e falou do contexto de São Paulo durante o evento.

Na sexta, foi a vez da mesa redonda organizada pelas Ciclanas e da qual eu fui a mediadora. E meu povo… Sério… Foi fraco não, viu? Dillyane Ribeiro, Ivânia de Alencar e Aline Cavalcante se se juntassem formavam um Megazord. A cada fala delas a plateia se entorpecia, era provocada. E eu preciso destacar a apresentação da Ivânia que é simplesmente uma delícia. Muitas mulheres se emocionaram na plateia com a mistura arrebatadora de doçura e força dessa sertaneja bruxa. Para terem noção, ela recebeu dois pedidos de casamento de mulheres e foi tietada loucamente após a mesa. rsrsrsrs Todo mundo queria abraçá-la e tirar foto. E o humor da doutora adevogada Dillyane? Era contagiante!

E eu mal conseguia acreditar que um dia tive tanto medo de começar a pedalar e durante as pesquisas que fazia lia incansavelmente o Pedalinas, do qual Aline fazia parte. Ela tem uma responsabilidade muito grande para que hoje eu seja uma ciclista e tenha meu próprio blog sobre o assunto. E agora, lá estava eu: mediando um debate com a própria! E fazendo parte de um grupo de mulheres ciclistas da minha cidade que já ultrapassa mil componentes e que eu também ajudei a juntar! Alguém me belisca, por favor?

Gente, vou guardar essa foto pro resto da vida!Gente, vou guardar essa foto pro resto da vida!

Paulo Aguiar, do Pedala Manaus; Ênio Paipa, Bike ANjo de Recife e Arthur Costa, presidente da Ciclovida (Fortaleza) toparam uma fotinha comigo

Paulo Aguiar, do Pedala Manaus; Ênio Paipa, Bike ANjo de Recife e Arthur Costa, presidente da Ciclovida (Fortaleza) toparam uma fotinha comigo

E o babado todo já está disponível no You Tube, então quem não é daqui ou não pôde comparecer, pode ter acesso às discussões e fomentar um debate pelos comentários. Será que em algum momento deu pra ver que eu tava quase chorando? rsrsrsrs

Eu até tento, mas é difícil explicar para vocês como estou me sentindo. Tudo muito intenso, muito vibrante. A única forma de vocês entenderem mesmo é fazendo parte dessa mudança que está acontecendo. Então, aproveitem esse contexto que, embora ainda tenha muito a melhorar, é muito mais favorável que há alguns anos. Sério. Faz muita diferença conhecer mulheres que pedalam, de carne e osso, acessar debates, ter acesso a informação… Então, tirem a coragem da gaveta e botem a bike na rua. O que não vai faltar é apoio, pelo menos aqui neste blog. 😉 E meninas, procurem as mulheres que pedalam na cidade de vocês e se ajudem! Isso é muito importante!

E lembrem-se de levar muito amor e luz no cestinho. S2

 

E o Mês da Mobilidade continua e a programação tá muito incrível! Programe-se para não perder nada!

 

Um abraço e vamos pedalar!

 

 

 

Bike vs Carros, Aline Cavalcante e Ciclanas no Mês da Mobilidade

Gente, é hoje! Minha nossa senhora do aro empenado, é hoje que eu vou conhecer a Aline Cavalcante! Ela é uma das convidadas do Mês da Mobilidade e vai participar de dois eventos organizados pelas Ciclanas, além de comparecer à exibição do documentário sueco Bike vs Cars, com debate sobre o filme. E além da Aline, tem mais mulher lacradora indo debater o uso da bicicleta por mulheres, e eu nem acredito que vou mediar uma mesa tão poderosa! Ai minha deusa protetora da barra da saia presa no freio de trás, haja coração! Mas calma aí, que eu tô atropelando tudo. Vamos por partes:

Bike vs Carros 

12007160_882144555205546_91103165_n

“Nessa quinta, como parte da programação do Mês da Mobilidade, teremos a exibição do documentário sueco Bikes vs Carros. A exibição contará com um debate com nossa convidada especial, Aline Cavalcante. Se o filme já é imperdível, esse debate promete desconstruir todo o que você já pensou sobre transporte e trânsito. Você não vai deixar essa oportunidade passar, né”?

Esse documentário tem sido exibido em diversos eventos a respeito de mobilidade urbana e o uso da bicicleta em várias cidades pela mundo. Uma das personagens é a Aline, que fala sobre o contexto de São Paulo e relembra casos dolorosos, como a morte da Julie Dias, que em 2012 foi atropelada em plena avenida Paulista, onde ainda não havia ciclovia. Eu estava super curiosa para assistir esse filme e com certeza a chance de conhecer a Aline Cavalcante torna o babado imperdível. Eu sou fã assumida da garota, principalmente por causa do Pedalinas, blog que serviu de fonte de pesquisa e inspiração para que hoje eu seja uma ciclista urbana. Hoje em dia, ela acumula debate e atuação em outros espaços ligados à mobilidade urbana e continua empoderando a mulherada por aí.

Bike vs Carros + debate com Aline Cavalcante

Quando: 10 de setembro às 19h.

Onde: Cinema do Dragão do Mar.

Mais informações: Evento no Facebook.

 

 Sobre duas rodas: caminhos para emancipação feminina

12009582_882145231872145_6362694969353401872_n

“Nessa sexta feira, 11 de setembro, a partir das 19h no Auditório do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, vamos debater juntas como a bicicleta tem servido às mulheres enquanto instrumento de emancipação, desafiando o machismo, a carrocracia e reafirmando o direito da mulher ao espaço público”.

Eeeita, Giovanaaaa! Vocês conseguem imaginar como essa mesa vai ser bapho? Sério. Mais um evento organizado pelas Ciclanas e que vai divar, com certeza. Saca só o currículo das mina.

Aline Cavalcante, cicloativista paulista, protagonista do filme Bike Vs Cars, e integrante do Coletivo Pedalinas.
Ivânia de Alencar, líder de agricultores familiares cearenses, fundadora do “Ciclovida” de Pentecostes-CE, pelo qual realizou uma cicloviagem por toda a América Latina em busca de sementes criolas (o feito virou documentário também);
Dillyane Ribeiro, advogada membro do Coletivo Urucum, mestranda em Estudos de Gênero pela Universidad Nacional de Colómbia, artivista e atriz em formação.

E tem eu, mediando o babado todo! ^^ Meu povo, estou com o coração na mão e seria ótimo ter leitores e leitoras na plateia para me dar aquele apoio básico. Então, bora?

 Sobre duas rodas: caminhos para emancipação feminina

Quando: 11 de setembro às 19h.

Onde: Auditório do Dragão do Mar.

Mais informações:Evento no Facebook.

Oficina mecânica com as Ciclanas e Aline Cavalcante

12002298_882145225205479_5286842817161187953_n

É o seguinte: Se eu não aprender a arrumar a minha bicicleta depois dessa, pode me processar! Porque o que eu já perdi de chance de participar de oficina, não é brincadeira. E dessa vez, além das Ciclanas que sacam dos paranauês, ainda tem a Aline para compartilhar conhecimento. Então, prepara o lencinho umedecido para tirar a graxa da pele e vamos nessa!

Oficina mecânica

Quando: 13 de setembro às 15h.

Onde: Praça da Gentilândia.

Mais informações: Evento no Facebook.

Ufa! Só evento babado, né? E não é só isso! O Mês da Mobilidade tem muito mais coisa prevista e você pode conferir a programação todinha aqui! Então, aproveita e anota tudinho na agenda!

 

Um abraço e vamos pedalar!