Vi de Bike – Luana Galdino

20160420_154304

Enquanto pedalava numa tarde dessas, na ciclovia da avenida Bezerra de Meneses, me deparei com uma figura vaporosa, de vestido leve, chapéu, texturas naturais e estampa floral. Tive que parar para um clique e um papo, né?

O nome da moça é Luana Galdino e tem 29 anos. Ela é costureira, super ligada em moda e usa a bicicleta como meio de transporte há mais de cinco anos. Inclusive, ela ainda tem a bicicleta que ganhou do avô quando tinha nove aninhos, e pedala nela. Só que no dia da foto ela estava na bike do companheiro, pois a dela está precisando de manutenção (uma pena, porque eu fiquei curiosíssima pra ver essa bicicleta).

Sobre o estilo, Luana me explicou que apesar de costurar, não faz todas as roupas que usa. Ela gosta de tons alegres e leves, e montou o look com detalhes florais para contrabalancear as cores neutras. Ela disse que gosta de vestidos, mas não costuma pedalar muito com eles porque acredita que chama muito a atenção dos homens e o assédio a incomoda. 😦 Quando pedala com algum modelo curtinho, lança mão da legging. Para se proteger do sol, chapéu e óculos escuros.

Eu adorei o visual porque a ideia de quebrar a monotonia com os florais, ainda mais com tons amarelos, que eu gosto tanto, funcionou muito bem. Parecia que eu tinha encontrado uma fada em pleno trânsito! ^^ E sempre que vejo alguém de chapéu sinto falta de um para proteger a cuca do sol. :/

20160420_15480920160420_154817

Espero que tenham gostado do post de hoje! Se quiserem aparecer por aqui mostrando seu estilo e contando sua história, não precisa esperar que a gente se encontre ao acaso: basta mandar um email com foto para debikenacidade@gmail.com. Vou adorar saber mais sobre vocês! 🙂

Um abraço e vamos pedalar!

Anúncios

Mande as Ciclanas para São Paulo!

ciclanas catarse bicicultura blog de bike na cidade by sheryda lopes

Bom dia, amores! Vou abrir a semana pedindo ajuda a vocês e dando a dica de um evento babado que vai rolar no final deste mês: o Bicicultura!

O maior encontro nacional de mobilidade por bicicleta e cicloativismo, acontece entre 26 e 29 de maio de 2016 em São Paulo. Organizado pela sociedade civil, busca ser o expoente máximo da bicicleta em todas as suas vertentes: cultural, social, política, artística, econômica e ambiental.

O evento abre espaço para o convívio, o compartilhamento de conhecimento e a formação de alianças entre ciclistas, cicloativistas, entusiastas e interessados na democratização urbana, na sustentabilidade ambiental e na qualidade de vida que a bicicleta proporciona.

E como eu tenho amigas arretadas e maravilhosas, três atividades das Ciclanas, coletivo ciclofeminista fundado em Fortaleza, foram aprovadas para esse evento por meio de edital nacional.

Em dois painéis, serão abordados assuntos como o nascimento e desenvolvimento do coletivo e a cicloviagem realizada para o assentamento Barra do Leme em Pentecostes, interior do Ceará. Já na oficina sobre as experiências de um movimento social com comunicação em redes sociais, as Ciclanas, além de contar as experiências do coletivo, vão propor um momento de consultoria para aqueles e aquelas que participarem.

Foda, né? Que orgulho saber que nosso coletivo vai compartilhar suas experiências na capital que tem o cicloativismo mais forte do país (pelo menos eu acho que tem)! Só que agora as gatas precisam de ajuda para voar até Sampa. Embora o evento forneça a passagem de avião e a hospedagem solidária para as meninas já esteja garantida, elas precisam do auxílio da comunidade para o deslocamento e alimentação durante essa viagem.

Para arrecadar esses recursos, nós Ciclanas estamos com uma campanha aberta no Catarse e já arrecadamos metade da grana. Mas faltam só cinco dias para o fim do prazo e se a meta não for atingida estabeleceremos uma nova meta, o Catarse devolve todo o dinheiro doado até o momento.


ATUALIZANDO: Gente, a informação que eu tinha colocado estava errada. A campanha das meninas é do tipo “flex”, que quer dizer que elas receberão o dinheiro arrecadado ainda que não batam a meta. #PeçoPerdãoPeloVacilo


Por isso, façam de conta que eu nunca pedi nada a vocês e ajudem! É possível realizar doações a partir de R$10. A partir dos R$20 rolam recompensas fofas, que vão de adesivos do coletivo e até camisetas. Mas o mais importante mesmo é ajudar a disseminar as experiências que estamos vivendo aqui em Fortaleza e empoderar as gata desse Brasil-zil-zil!

Vai lá!

Campanha das Ciclanas no Catarse: catarse.me/ciclanas

Ciclanas no Facebook: facebook.com/ciclanas

Ciclanas no Instagram: instagram.com/ciclanas/

Site do Bicicultura: bicicultura.org.br

Um abraço e vamos pedalar!

(e coçar esses bolso)

Look de bike – Legging e boina em Recife

Look de Bike em Recife Vestido boina De Bike na Cidade by Valéria Pires (3)

Olha essa arte que incrível! O desenho é formado por latinhas velhas de tinta e o nome do artista é Junior Zurdo

Oiê! Fuçando o meu computador encontrei várias fotos do ano passado, entre elas da viagem que fiz a Recife para o I FNEBICI e que ainda não foram publicadas por aqui. E aí que encontrei este look super legal que foi fotografado pela maravilhosa Valéria Pires, uma bike anjo recifense que é a coisa mais maravilhosa dessa vida. Ela foi quem me hospedou durante os dias do evento e a simpatia e generosidade dessa querida me conquistou tanto que eu sinto muita saudade de seu carinho até hoje.  Aliás, também tô devendo falar mais sobre ela aqui no blog.

Como a Lela (apelido carinhoso) é uma empreendedora, nós tivemos pouco tempo juntas, então aproveitamos a manhã da minha viagem para Fortaleza para passear por Recife e tirar fotos. Ela me mostrou alguns dos lugares mais bonitos da cidade, com muita arte urbana e cores deliciosas. Cores, aliás, que eu fiz questão de colocar no meu look, que tem esse vestido amarelo bem alegre! Para contrapor, casaquinho escuro de bolinhas e legging preta, inaugurada nesse dia. E o meu All Star branco, comprado para a viagem porque eu tava querendo muito um tênis dessa cor.

Na cabeça, a boina que eu peguei emprestada do Yargo Gurjão, do Coletivo Nigéria. Acessório, inclusive, que eu adorei, e que eu fiquei muito a fim de roubar comprar uma pra mim. Já tem uns meses que eu parei de usar capacete (em outro momento a gente entra nessa polêmica) e não tinha pedalado de chapéu ainda. Pessoal, faz uma diferença incrível no bem estar da gente e na sensação do rosto. Até os olhos ficam mais descansados. Mas tem que ser um chapéu de tecido grosso e frio, que nem essa boina, porque eu já pedalei de boné de nylon e a impressão que dá é que a cabeça da gente vai fritar.Look de Bike em Recife Vestido boina De Bike na Cidade by Valéria Pires (1)

A pedalada foi muito confortável porque os tecidos de todas as peças que escolhi são muito leves.  Mesmo a legging sendo escura e o casaco também, e com o sol que estava fazendo, não rolou de eu ficar tão suada. Acho que também porque pedalamos pela região do Centro de Recife, que é bastante arborizada e fresca – Prefeitura, favor deixar essas árvores maravilhosas onde elas estão, por favor!Look de Bike em Recife Vestido boina De Bike na Cidade by Valéria Pires (2)

Look de Bike em Recife Vestido boina De Bike na Cidade by Valéria Pires (4)

Vocês conseguem imaginar o quanto eu estava feliz nesse dia?

Gostaram das fotos e do look? Foi uma delícia fazer este post e revisitar essas lembranças. Ah, e compartilhando com vocês, fica melhor ainda!

Um abraço e vamos pedalar! 

 

Vi de Bike – Ana Lúcia Porto

Ana Lucia Porto bicicleta fortaleza blog De Bike na Cidade

Oiê! Dia desses viajei com uns amigos da faculdade e no caminho paramos no Hiperbompreço da avenida Washington Soares para comprar comidinhas.Estávamos de carro, mas mesmo assim flagrei a Ana Lúcia chegando e prendendo a bike no bicicletário. Então, aproveitei para saber quem era a moça de macaquinho estampado e bike de cestinha. A gente bateu um papo e tirou essa fotinha, mesmo ela tendo se assustado um pouco no começo com a maluca aqui chegando do nada e se metendo em sua vida. hahaha

O nome dela é Ana Lúcia Porto, tem 44 anos e é dona de casa. Ela utiliza a bicicleta há cerca de um ano para várias atividades, entre elas, as compras da casa. Enquanto muita gente insiste na ideia de que ser ciclista é impossível por causa dos assaltos, a Ana se sente mais segura pedalando. “Eu gosto muito de andar de bicicleta e acho mais prático, inclusive para se proteger”, conta. Ela diz que se perceber o comportamento estranho de alguém, rapidamente pensa num caminho alternativo e desvia, o que seria mais difícil de fazer estando de carro ou a pé. Esperta, ela! Prefere vivenciar a cidade do que alimentar o medo.

E para as pedaladas a Ana sempre escolhe roupas de tecido leve e com estampa. Os macaquinhos são suas peças preferidas, pois unem a praticidade com o estilo da pedaleira. Enquanto caminhávamos do bicicletário para dentro do supermercado, íamos trocando figurinhas sobre roupas para pedalar e os percursos que costumamos fazer. Foi um papo breve, mas muito legal!

Estavam com saudade dos Vi de Bike? Eu também! ^^ Se você quiser aparecer aqui no blog mas a gente ainda não se encontrou por aí, mande sua foto e me conte um pouco da sua história! O email para contato é debikenacidade@gmail.com.

Um abraço e vamos pedalar!

 

Crônicas de Bike – Sobre distâncias e baterias imaginárias

(Foto: Verdinha)

(Foto: Verdinha)

Tive duas boas experiências recentemente enquanto pedalava rumo ao ensaio do Vitrola Nova. E as duas foram relacionadas a motoristas. A primeira delas foi na avenida Duque de Caxias, em pleno horário de pico. Nessa avenida eu costumo pedalar perto do canteiro central, porque na faixa da direita vão ônibus que sempre me assustam. É um pouco tenso pedalar na faixa da esquerda, porque os carros vão mais rápido e próximos a mim. Mas sério: prefiro levar 20 finas de um carro particular do que sentir aqueles monstros chegando perto de mim e me ameaçando.

Aí que eu vou bem atenta, tomando cuidado para manter bastante equilíbrio. Num determinado momento, percebo que não há carro ao meu lado e fico meio que aguardando que alguém fique rente a mim. Passa um, dois quarteirões e nada. Então, num sinal fechado com o trânsito super pesado, olho para trás. Há um carro pequeno e a motorista é uma mulher mais ou menos da mesma idade que eu. Percebi então que ela vinha dirigindo e tomando cuidado comigo, parando mais atrás de propósito e sem emparelhar ao meu lado. Não consegui resistir e voltei um pouquinho, pedi que ela abaixasse o vidro e agradeci a ela por manter a distância. Ela então sorriu e disse: “de nada”!

Lá na frente, depois de eu ter deixado a motorista gentil no engarrafamento (tadinha) já em ruas secundárias e com pouco trânsito, vinha pensando na gentileza da motorista. Às vezes eu tenho que me esforçar um pouco para prestar atenção nessas coisas boas que acontecem, sabe? Porque a tendência é só lembrar das finas e da grosseria de alguns motoristas. Mas acho importante (até para a nossa saúde mental) lembrar também que existem atitudes gentis e pacíficas.

Daí, sigo pedalando e pensando nisso quando me aproximo de um supermercado e de um semáforo fechado. Havia um carro tentando sair do estacionamento e ficou parado aguardando uma brecha. Não dava para eu passar, então parei a bicicleta enquanto esperava o sinal ficar verde. Observo então a motorista que saía do estabelecimento e vi que, mais uma vez, era uma mulher. Só que ela era mais velha que eu. E estava… cantando e tocando bateria no volante esperando para entrar no asfalto. Sério, gente! Muito bom! Eu não sei se estava tocando alguma música muito boa, porque não dava para ouvir nada e o vidro estava abaixado. Parecia que ela estava simplesmente cantando algo e tocando uma bateria imaginária muito pauleira. E curtindo pra caramba!

Eu comecei a observá-la e abri um sorriso inevitável. Aí ela olhou pra mim e como que, pega no flagra, fez uma cara de susto e caiu na gargalhada. Eu comecei a bater cabelo junto com ela e ela riu mais ainda. Aí o sinal abriu, nós demos tchau uma para a outra e nunca mais nos vimos.

Mas vocês percebem o quanto algumas situações podem ser uma chance pra gente relaxar um pouco? Quer dizer: buzina não deixa sinal verde. Raiva não faz aparecer uma vaga. Escrotizar ciclista também não vai deixar o trânsito melhor. Então… buzinar menos, desacelerar mais, cantar mais.

Por quê não?

Um abraço e vamos pedalar!

Bike vs Cars e Mesa redonda com mulheres ciclistas

Gente, muita emoção na última semana. Sério, haja coração bicicleteiro e feminista para tanta provocação e alegria. Como já contei aqui, a Aline Cavalcante veio a Fortaleza para participar de eventos do Mês da Mobilidade, inclusive alguns que foram organizados pelas Ciclanas. Eu consegui ir a dois deles e ai minha nossa senhora da buzininha trim-trim! Se só a presença da guerreira já era motivo para eu me passar de emoção, junte a isso um filme incrível e mais uma ruma de mulher ciclista arrebatadora! Meu povo, tô anestesiada até agora!

Na quinta-feira o documentário Bike vs Carros foi exibido gratuitamente no cinema do Dragão do Mar e após o filme, a Aline bateu um papo com a plateia. E foi uma lindeza ver aquele Dragão lotado de bicicleta, uma sala entupida de gente interessada em conhecer o filme e debater sobre mobilidade urbana. E o filme? Incrível, envolvente, com uma pesquisa muito bem feita! Se vocês tiverem a chance de assistir, não percam porque é mesmo muito bom! Trata-se de um documentário sueco que fala sobre a situação do trânsito e do uso da bicicleta em várias cidades pelo mundo. Aqui no Brasil, o filme mostra São Paulo e a personagem entrevistada é a Aline, que de forma super simpática, tirou dúvidas da plateia e falou do contexto de São Paulo durante o evento.

Na sexta, foi a vez da mesa redonda organizada pelas Ciclanas e da qual eu fui a mediadora. E meu povo… Sério… Foi fraco não, viu? Dillyane Ribeiro, Ivânia de Alencar e Aline Cavalcante se se juntassem formavam um Megazord. A cada fala delas a plateia se entorpecia, era provocada. E eu preciso destacar a apresentação da Ivânia que é simplesmente uma delícia. Muitas mulheres se emocionaram na plateia com a mistura arrebatadora de doçura e força dessa sertaneja bruxa. Para terem noção, ela recebeu dois pedidos de casamento de mulheres e foi tietada loucamente após a mesa. rsrsrsrs Todo mundo queria abraçá-la e tirar foto. E o humor da doutora adevogada Dillyane? Era contagiante!

E eu mal conseguia acreditar que um dia tive tanto medo de começar a pedalar e durante as pesquisas que fazia lia incansavelmente o Pedalinas, do qual Aline fazia parte. Ela tem uma responsabilidade muito grande para que hoje eu seja uma ciclista e tenha meu próprio blog sobre o assunto. E agora, lá estava eu: mediando um debate com a própria! E fazendo parte de um grupo de mulheres ciclistas da minha cidade que já ultrapassa mil componentes e que eu também ajudei a juntar! Alguém me belisca, por favor?

Gente, vou guardar essa foto pro resto da vida!Gente, vou guardar essa foto pro resto da vida!

Paulo Aguiar, do Pedala Manaus; Ênio Paipa, Bike ANjo de Recife e Arthur Costa, presidente da Ciclovida (Fortaleza) toparam uma fotinha comigo

Paulo Aguiar, do Pedala Manaus; Ênio Paipa, Bike ANjo de Recife e Arthur Costa, presidente da Ciclovida (Fortaleza) toparam uma fotinha comigo

E o babado todo já está disponível no You Tube, então quem não é daqui ou não pôde comparecer, pode ter acesso às discussões e fomentar um debate pelos comentários. Será que em algum momento deu pra ver que eu tava quase chorando? rsrsrsrs

Eu até tento, mas é difícil explicar para vocês como estou me sentindo. Tudo muito intenso, muito vibrante. A única forma de vocês entenderem mesmo é fazendo parte dessa mudança que está acontecendo. Então, aproveitem esse contexto que, embora ainda tenha muito a melhorar, é muito mais favorável que há alguns anos. Sério. Faz muita diferença conhecer mulheres que pedalam, de carne e osso, acessar debates, ter acesso a informação… Então, tirem a coragem da gaveta e botem a bike na rua. O que não vai faltar é apoio, pelo menos aqui neste blog. 😉 E meninas, procurem as mulheres que pedalam na cidade de vocês e se ajudem! Isso é muito importante!

E lembrem-se de levar muito amor e luz no cestinho. S2

 

E o Mês da Mobilidade continua e a programação tá muito incrível! Programe-se para não perder nada!

 

Um abraço e vamos pedalar!

 

 

 

Seu marido deixa você pedalar?

Sim, nós já votamos. Sim, temos direito a utilizar anticoncepcionais para evitar uma gravidez para qual não nos sentimos preparadas. Sim, podemos nem ter filho, se não quisermos. Porém, em pleno século XXI, uma mulher que pedala sozinha causa estranhamento nas pessoas. E se essa mulher for casada, então, ela precisa de PERMISSÃO do marido, segundo os julgamentos sociais.

Pois é, meu povo. Vocês acreditam que eu ouço essa pergunta infame constantemente? Ou será que vocês mesmos já se perguntaram como é que meu marido me deixa pedalar? Resolvi gravar um vídeo batendo um papo com meu boy magia a respeito desse assunto, para me aproveitar de seu imenso carisma, conseguindo views e audiência proporcionar a vocês um ponto de vista masculino a respeito disso.

Lembrem-se de deixar um joinha e suas opiniões, que eu quero super saber o que vocês pensam sobre isso. E se não estiverem inscritos ainda no canal do bloguinho no You Tube, façam isso e saibam primeiro que todo mundo toda vez que sair um vídeo novo. ^^

Depois que assisti fiquei pensando que me comportei bastante. Nem parece a louquita que tirou tanta onda no Papo Ciclovida a respeito do uso da bicicleta por mulheres. rsrsrsrs

E aí, o que vocês acharam? Tomara que tenham gostado!

Um abraço e vamos pedalar!